quarta-feira, agosto 28, 2013

Sobre as aparências dos mais médicos, ops, das pessoas

Gente, quando me virem por aí de cabelo solto no naipe “vagabundo desempregado”, brinco na orelha, bermudão, chinelo de dedo, comendo em churrasgatinho e com essa cara de índio pobre, saibam que tenho duas graduações, uma pós, já escrevi um livro, tenho filho, pago minhas dívidas, já plantei muitas árvores, ajudo meus parentes, faço a tarefa de casa com meu moleque e pago meus impostos direitinho.

Traduzindo: não é a aparência que define a sua formação, capacidade e caráter.

terça-feira, agosto 27, 2013

Que venham mais médicos

Sou de fora, sou estrangeiro. Aqui no Brasil fulaninho já tentou desmerecer o meu trabalho por isso. Lá na Venezuela os meus pais sofriam preconceito por serem de fora.

Por isso não dá para concordar com qualquer movimento xenófobo, sobretudo se a raiz for corporativista. Ainda mais quando é contra uma medida que pode melhorar a qualidade de vida da população.

Sou a favor dos médicos cubanos, portugueses e de qualquer parte do mundo atenderem àquela parcela de brasileiros que mora em lugares onde ninguém quer ir para consultá-los. Lá, ou aqui, dependendo de onde você estiver lendo, falta tudo e o que vier já transforma a vida para melhor.

Dane-se o corporativismo dos médicos. O programa Mais Médicos teve como base justamente essa falta de vontade da maioria deles para encarar os grotões. Se há quem queira ir trabalhar no fim do mundo, que seja contratado, preparado e colocado lá. Reclamações sobre o atendimento? Se há quando se trata de hospitais de ponta e médicos renomados, qual a razão de pensar que não haverá agora? Que os órgãos fiscalizadores trabalhem e tudo se encaminhará.

Paralelamente sou a favor que haja mais fiscalização sobre os recursos aplicados na saúde. Sim, pois essa grana é alta, vem para os estados e municípios e é um dinheiro que os governadores, prefeitos, vereadores, deputados, senadores e outros adoram meter a mão. Ignorar isso é ser escravo da mediocridade.

Também sou a favor de que se exija mais profissionalismo dos médicos que atuam nas redes públicas. Que cumpram a carga de trabalho e não usem dedinhos de silicone para marcar o ponto. Que reclamem na diretoria da unidade de saúde se estiver faltando material e metam o Conselho Regional de Medicina na briga.

Se toda essa força e valentia contra o programa Mais Médicos tivesse sido aplicado em cobrar o uso correto dos recursos direcionados para a saúde, aí a situação seria outra há muito tempo.

quinta-feira, agosto 22, 2013

segunda-feira, agosto 19, 2013

Poema para emagrecer em Dubai

Sobre a matéria da campanha de emagrecimento em Dubai, ontem, no Fantástico:

Vou embora pra Dubai
Lá sou amigo do sheik
Terei um pouco de ouro
Para cada quilo que perderei.


..............

quarta-feira, agosto 14, 2013

Notinha sobre o papel do criador no mundo pós-moderno das ações colaborativas

Totalmente bipolar, sou da turma do “vamos fazer juntos, pois juntos é mais gostoso” e a favor da autoria reconhecida, principalmente em trabalhos coletivos. Apoio dar créditos para quem faz e ignorar quem só quer entrar com o nome e ganhar o elogio.

Gosto de parcerias em um jogo de igual para igual, sem locupletações. Sou a favor do remix, do Creative Commons, de compartilhar livremente mas também sou a favor do criador (pelo menos tentar) viver de sua criação, pois ele é o começo de toda manifestação e não pode ser desprezado por tentar valorizar-se, mesmo que seja que isso pareça arcaico, industrial e nada pós-moderno. O criador não morreu. Pelo contrário, é a mola que move o sistema, seja o estabelecido ou o a ser construído.

Também curto toda iniciativa de mídia livre, principalmente as voltadas ao setor cultural, pois é abrindo espaços que mais gente pode ser feliz vivendo de seu trabalho na tal economia criativa.

Para fechar, reforço que sou bipolar e detesto essa onda de “ou você está 100% conosco ou você está contra nós”. Afinal, o mundo não é todo preto ou todo branco. Tem muito área cinza para caminhar.

quinta-feira, agosto 01, 2013

Sobre a primeira reunião em 2013 do Colegiado Setorial de Literatura, Livro e Leitura/ CNPC

Car@s, 

Nos dias 15 e 16 de julho aconteceu em Brasília a primeira reunião ordinária do Colegiado Setorial de Literatura, Livro e Leitura/ Conselho Nacional de Política Cultural eleito para a gestão 2012-2013. Participei na qualidade de representante da cadeia criativa, aquela que reúne escritores, declamadores, contadores de histórias, ilustradores e afins.
 
Por conta da preguiça em certas horas e de muita coisa para fazer em outras, acabei atrasando muito um relato sobre o encontro. Para não demorar mais, resolvi aproveitar o texto escrito pelo companheiro Kelsen Bravos, escritor lá do Ceará, também integrante da cadeia criativa.
 
Leiam:
 
“A reunião do Colegiado Setorial da Literatura, Livro e Leitura (CSLLL) foi muito positiva. Marcada por intensa participação da renovada plenária, obtivemos importantes ganhos políticos, tais como o consenso de se retomar com prioridade máxima as pautas que tratam do Fundo Setorial do Livro, do Plano Nacional do Livro e da Leitura, e do Instituto Nacional da Literatura, Livro, Leitura e Bibliotecas. Para tanto foram tirados GT temáticos para consolidar os primeiros e fundamentais encaminhamentos até setembro.




Outros pontos de extrema relevância foram: o fortalecimento da parceria entre MinC e MEC para o PNLL, e o reconhecimento de envolver nessa parceira o Ministério da Ciência e Tecnologia e Inovação no que tange, sobretudo, à formação e à leitura no meio digital; a mobilização dos municípios para a construção e efetivação do respectivo Plano Municipal da Literatura, Livro, Leitura e Bibliotecas; o levantamento de propostas para a III Conferência Nacional de Cultura, a ocorrer em novembro de 2013.









Houve a apresentação da plataforma digital do Sistema Nacional de Informações e Indicadores Culturais (SNIIC) feita de forma muito competente por Rafael Oliveira e Evaristo Nunes, da Secretaria de Política Cultural. O SNIIC se consolidará como o maior repositório de dados sobre a cultura brasileira. O Sistema deve compartilhar informações culturais estratégicas de forma transparente para instituições, órgãos e sociedade em geral. (Para saber como funciona, acesse aqui o site.)

A plenária do CSLLL manifestou, ainda, moção em apoio à PEC-150 (a PEC da Cultura) que propõe uma porcentagem fixa de investimento em cultura para governos dos estados e do Distrito Federal – 1,5% – e dos municípios – 1%. Que a sua aprovação seja a prioridade do Congresso Nacional.

Ressalte-se a postura democrática de José Castilho Marques Neto (titular da Secretaria Executiva do PNLL), Elisa Machado (da Diretoria do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas), Renato Lessa (da Presidência da Fundação Biblioteca Nacional) e Marcelo Pedroso (da Secretaria de Articulação Institucional e secretário geral do CNPC), convictos e convincentes do compromisso de fazer da política da Literatura, Livro, Leitura e Bibliotecas uma política pública de Estado sólida e exemplar do que há de melhor para a cidadania brasileira.



Essa equipe ganhará muito com a efetivação de Rosália Guedes e com a chegada de Fabiano Dos Santos Piuba (para a titularidade da Diretoria do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas), um nome cujo currículo representa a democratização da Literatura, do Livro e da Leitura.”
Saímos da reunião sem a data de uma reunião extraordinária, que esta semana foi marcada para os dias 17 e 18 de setembro. A pauta é a revisão do PNLL que começou a ser feita numa plataforma on line (se você ainda não sabe o que é o PNLL, clique aqui).