sexta-feira, dezembro 27, 2013

Sobre o parque Anauá e as limpezas na véspera de festas

Como ser indiferente ao desleixo com o lago do parque se o meu filho e eu curtimos o lugar?


Tão bonito fica o parque Anauá quando o governo decide fazer uma limpeza nele. Pena só acontecer às vésperas de grandes festas. Pena também que depois das festas, sejam promovidas pelo poder público ou por particulares, fica lá a sujeira por dias, semanas, meses....

Em 2014 o governo poderia colocar na administração do lugar alguém mais preocupado com a limpeza do parque, tirar os entulhos da área do anfiteatro, mandar instalar umas lixeiras ao redor do lago, varrer a prainha e as margens do lago pelo menos uma vez por mês e, legal seria, fazer campanhas de sensibilização para que os usuários não jogassem lixo em todo lugar (custa ser limpinho?).

Pensem quão bacana ficaria o lago se suas margens não fossem pintadas de copos, garrafas, latas e outros etc. E o forródromo, como ficaria sem aquele monte de pregos, tábuas e cacos de vidro que sobram a cada folia?

Melhor seria se houvesse segurança. Isso impediria os vândalos de quebrar as vidraças e jogar lixo na abandonada galeria de arte que nunca foi usada para nada depois de reformada. Vou nem citar que uns cuidados com o prédio do museu agradariam demais para não complicar.

Resumindo: se rolar uma boa limpeza regular,  lixeiras e sensibilização, 2014 já trará mudanças boas no parque.

sexta-feira, dezembro 20, 2013

Promessas são promessas e só

Clica que a imagem cresce
Em 23 de dezembro de 2001 publiquei esta crônica no extinto jornal Tribuna do Estado de Roraima, uma das várias publicações locais em que veiculei texto meu por aqui.

Das 23 promessas que fiz (com certeza em tom de chacota comigo mesmo) só levei à frente as de número  12, 18 e 20.

Acho que na verdade não queria tocar nenhuma...

segunda-feira, dezembro 16, 2013

Do resultado da Mostra Londrix 2013 Vídeo-Poema (Paraná)

Não citei o resultado à época, mas antes tarde do que nunca coloco parte da matéria veiculada na Jornal de Londrina dando o resultado final da Mostra Londrix 2013 de Vídeo-poema. 

Obrigado a quem votou no curta: 

 Londrix divulga os ganhadores da Mostra Vídeo-Poema 

O Festival Literário de Londrina (Londrix 2013) divulgou, nesta terça-feira (5), os ganhadores da Mostra Londrix 2013 Vídeo-Poema. 

O primeiro lugar ficou para o “Clipoema: Anjo caído”, de Carlos Brunno Silva Barbosa. Em segundo, venceu “Poéticas Urbanas # 1”, de Edgar Borges, e o terceiro foi para “Inevitavelmente Tempo”, de Marjorie Caetano Coelho G. Oliveira. 

 Para participar, bastava enviar um vídeo com a interpretação de um poema originalmente em língua portuguesa ou latina. A votação on-line ocorreu no site do JL. (Do site do Jornal de Londrina)
 ….......................... 

Veja o vídeo:


 

sexta-feira, dezembro 06, 2013

Fotos e lembranças da III Conferência Nacional de Cultura, em Brasília



Flores secas do cerrado


Fiz semana passada a minha terceira viagem a Brasília neste ano. Fiquei lá de 27.11 a 01.12, participando da III Conferência Nacional de Cultura. Nas outras também estava discutindo políticas públicas para a cultura. Faço isso pela minha condição de integrante do Colegiado Setorial de Livro, Leitura e Literatura. 

O relato da primeira viagem deste ano está neste link. O relato da terceira está aqui, no blog Cultura de Roraima, numa postagem que apresenta os resultados da III Conferência Nacional de Cultura.

A conferência foi talvez o momento mais interessante vivido por mim desde 2009 neste processo constante de pensar e reivindicar políticas culturais. Foi a partir daquele ano, quando ajudei a criar o Coletivo Arteliteratura Caimbé,  que comecei a me envolver de outra forma com o mundo da cultura, especialmente a literária.

Conseguimos aprovar propostas interessantes para a Amazônia e para a cultura em geral. Foram dias de muito debate, reuniões, encontros, articulações. Éramos centenas de pessoas discutindo o Brasil cultural que queremos, com políticas que beneficiem equitativamente os produtores e fazedores de cultural no país. 

Como os resultados de todos os trabalhos estão apontados na postagem do Cultura de Roraima, vou dedicar esta publicação a falar da parte menos pesada da conferência. Afinal, o blog me serve também como memória de onde andei e o que fiz pelo mundo.

Começo dizendo que estive com outros conselheiros em uma reunião com a ministra da Cultura Marta Suplicy na tarde do dia 27.






Depois dei uma passeada na feira do livro de Brasília e fomos ao Teatro Nacional Cláudio Santoro para a abertura da III  CNC. Lá, rolou show lindo dos meninos do grupo Orquestra de Metais Lyra Tatuí, do interior de São Paulo, e da sambista Martinália, que cantou o mais poético de todos os sambas: Disritmia, de seu papai Martinho da Vila. No final, no hall do teatro, rolou a tradicional roda de batucada/ciranda/etc que o povo faz quando se encontra para culturalizar em BSB. 



 



Nos outros dias, depois do final dos trabalhos, sempre rolavam shows numa tenda montada bem em frente ao Centro de Convenções Brasil 21. Saca a lista de atrações que pude ver: 

Camerata de violões de Barro Alto (GO), Emanuel Marinho (MS),  Yamandu Costa (RS), o grupo de percussão Surdodum (DF), formado por pessoas surdas; os rappers Guaraní Kaiowá Bro MC's (MS);   Samba de Brasília com Cris Pereira, Teresa Lopes, Adora Roda e Filhos de Dona Maria (DF); Grupo indígena Yawalapiti (MT); Tamnoá - Tambores do Paranoá (DF); e Gaby Amarantos (PA).


Vamos às fotos que mostram melhor os encontros e a parte artística da conferência:





Palhaço Ribeirinho,vulgo Jonas Banhos. Parceiro de atividades literárias

Adoro ver tatuagens e esta, copiando a obra América Invertida, de Joaquín Torres García, chamou a minha atenção

Na plenária da III CNC

Parte dos delegados culturais da Amazônia discutindo que propostas apoiar

Instalação no Museu Nacional Honestino Guimarães

Um tambor com vidro no fundo. Instalação no Museu Nacional Honestino Guimarães

Ônibus da Maria Berenice, empresa de venda de bordados e crochês. Muito lindo

A Ermida Dom Bosco, no parque ecológico de mesmo nome

Vejo flores no píer do lago Paranoá, no parque ecológico Dom Bosco

Colegas do Colegiado Setorial de Literatura, Livro, Leitura e Biblioteca: Shirlene Alvares e Márcia Cavalcante

Colegas do Colegiado Setorial de Literatura, Livro, Leitura e Biblioteca depois da aprovação do PNLL como prioridade na III CNC

Colegas do Colegiado Setorial de Literatura, Livro, Leitura e Biblioteca: Mileide Flores e Lourdiana Araújo

Colegas do Colegiado Setorial de Literatura, Livro, Leitura e Biblioteca: Shirlene Alvares, Márcia Cavalcante e João Carneiro (todos numa vibe cabelo solto)

Colegas do Colegiado Setorial de Literatura, Livro, Leitura e Biblioteca: Taiza Moraes e Fabiano Piúba



segunda-feira, novembro 25, 2013

Recortes de jornal

Estava mexendo numas pastas antigas este final de semana, tentando dar um fim na infinita poeira do verão roraimense, quando me vi diante de uma cheia de recortes de matérias escritas por mim e outras nas quais apareço.

Tenho esse costume de guardar papel desde que comecei a trabalhar como jornalista, lá em 1998, em meu segundo ano como estudante universitário. Aliás, tenho recortes de jornal de 1996, ano em que publiquei meus primeiros artigos/crônicas na imprensa local. No parte de arquivo audiovisual, um amigo fez o belo favor de sumir com uma fita VHS que continha várias matérias de TV com participações minhas.

Enfim, fotografei algumas das matérias para que sintam como o tempo passou maldoso por mim. Afinal, recorTar é viver.


Vamos lá:


1996, na Folha de Boa Vista com Oiran Braga. Éramos candidatos ao DCE. A votação não teve quórum e perdemos para nós mesmos.



1997, na capa de um informativo feito pelos alunos do curso de Comunicação Social. A matéria falava das atividades da semana cultural, que ajudei a produzir por dois anos seguidos. A cara no microfone é Miqueias Monteiro.  Eu operava a “mesa de áudio” de uma “rádio” que montamos com
caixas de som no campus da UFRR.



Em 1999 publiquei esta matéria com Aléxia Linke no finado O Diário, pertencente ao também finado ex-governador Ottomar Pinto:




Olha a cópia de uma matéria com George Farias, que esta semana completa 50 anos de idade. Também foi publicada n'O Diário, em 1999.


No mesmo ano 2000, na página social da Folha de Boa Vista, foto da formatura em Comunicação Social, com os colegas de curso Ivonísio Lacerda, a lindinha Érica Medeiros, Getúlio Cruz (dono do jornal), Élissan Paula Rodrigues, Antônio Carlos Fernandez e eu, gordinho só. A foto é de Franco Martins, que hoje é vereador em algum município do interior, salvo engano.



Em 2001, perdido entre os ganhadores do primeiro prêmio Sesi de Jornalismo. Aparecem aí, entre outros, os colegas Tana Halú, Gilvan Costa e Alexsandra Sampaio. A foto saiu na Folha de Boa Vista.



Pulando para 2005, abraço a loira Loide Gomes e o branquelo Leandro Freitas na coluna social de Júnior Brasil no extinto Brasil Norte.




Em 2007, nas páginas do jornal Roraima Hoje, celebrando a formatura de Nei Costa juntamente com Luiz  Valério e Amilcar Júnior. Acho que lá no fundo aparece Alberto Rolla, com qual trabalhei depois na Universidade Estadual de Roraima.



Para fechar, com Tana Halú, numa matéria sobre nossa eleição como integrantes dos colegiados setoriais de cultura do Ministério da Cultura. Isso foi em 2010. A matéria saiu na Folha de Boa Vista.


terça-feira, novembro 05, 2013

domingo, novembro 03, 2013

Dias audiovisuais pelo sul, sudeste e norte do Brasil

Ando por aí, fixo em Roraima, mas espalhado pelas telas digitais e reais do mundo audiovisual alternativo. 

No sábado passado (2), a turma do Coletivo Opapivará exibiu no Rio de Janeiro o meu filme Porto, produzido a partir de fotografias feitas durante a viagem que fiz ao Amapá em 2011 para falar de literatura e afins com o meu parceiro de andanças Jonas Banhos, da Barca das Letras. 










 Mudando da região Sul para o Sudeste, lá no Paraná rola de 4 a 11 de novembro o Londrix - Festival Literário de Londrina, com com debates, mesas redondas, palestras, lançamentos de livros e espetáculos. 
Também vai rolar a Mostra Londrix 2013 de Vídeo-poema. “Poéticas Urbanas #1”, produzido em 2010 (e premiado numa das mostras de curtas do Sesc Roraima), foi classificado para ser exibido lá. 



 Além disso rolou uma votação popular para ver se ficava entre os três mais votados e recebia um troféu. Até o momento desta postagem o resultado final não havia sido divulgado, mas isso de fato não importa pois o certificado vai sair e poderá ser incorporado ao currículo lattes depois. 



Voltando ao Norte, nos dias 15 e 16 rola em Pacaraima, a 230 km de Boa Vista e na fronteira com a Venezuela, o VI Yamix, que vai fazer uma mostra não competitiva de vídeos. A turma da organização pediu para passar lá “Temporal”, produzido este ano pelo Núcleo Audiovisual do Coletivo Arteliteratura Caimbé. 




  

Quer dizer, eu fico em casa mas as minhas coisas rodam o mundo por aí. Bom seria se pudesse acompanhá-las, mas... Ah, antes que me esqueça: a turma do Coletivo Opapivará passou há vários dias o filme Versos Populares, feito por Zanny Adairalba com locução de Edgar Borges Bisneto. Deixo aí também para que vejam:





 

segunda-feira, outubro 28, 2013

Memória literária: viagem a Campo Mourão na Folha de Boa Vista




Enquanto não escrevo o relato da viagem a Campo Mourão, que tal pelo menos postar uma imagem da matéria veiculada no jornal Folha de Boa Vista a respeito de minha participação na bienal?




Clique para amplicar


Achei bacana a página de capa do caderno B ser todinha para mim. =)

Clipando coisas literárias: sarau DoQuintal



Mexendo nas imagens do celular tropecei com esta foto de uma reportagem sobre o Sarau DoQuintal no mais novo jornal da cidade, o Jornal de Roraima.

Como recordar faz bem, resolvi colocar aí nas memórias da Série Clipando

terça-feira, outubro 15, 2013

Rumo a Campo Mourão (PR) falar de literatura e da Amazônia


 
Semana que vem não me procurem em casa. Vou representar Roraima na primeira Bienal do Livro e Leituras da cidade de Campo Mourão, Paraná.

O evento acontece de 22 a 26.10 a uns 500 km de Curitiba. E o melhor de tudo, tem como patrono Vinicius de Moraes, sobre quem escrevi um texto dia desses para o jornal Mundo Jovem, da PUC-RS.
Vou para lá a convite da Prefeitura de Campo Mourão, organizadora da bienal, especificamente por um chamado do escritor Chico Pinheiro, que já trabalhou no Sesc Roraima como gerente de cultura e que está à frente do evento lá.

Farei uma palestra sobre o texto jornalístico e o literário, mediarei uma mesa redonda sobre a produção literária na era digital e estarei numa sessão de autógrafos de meu livro de micronarrativas Sem Grandes Delongas, o primeiro do gênero na região Norte.

Além disso, vou percorrer as escolas da cidade para falar com estudantes e professores sobre a Amazônia sonhada e a Amazônia vivida.

Essa deve ser a melhor parte, se desse para escolher uma antecipadamente.

Confere toda a programação da bienal aqui. Vai ser bacana, com shows, oficinas, mesas redondas, lançamento de livros e um monte de outras coisas.

segunda-feira, outubro 14, 2013

Sobre a oficina OcupAções Culturais

Rolou a oficina. Quatro meninas do curso de Letras apareceram. Conversamos mais do que agimos, mas em alto nível preparatório, incluindo uma linha mais filosófica  sobre o que leva alguém (ou alguéns) a querer deixar o seu conforto, o seu mundinho pessoal, para ir mexer com literatura e outras artes no meio do povo.

 


Olha eu falando de ocupações
 Aproveitei e fiz o comercial da Barca das Letras de meu parceiro Jonas Banhos, que desembarca esta semana pela terceira vez em Roraima e pela segunda na Feira de Ciências para fazer rodas de leitura e brincadeiras com quem estiver no parque Anauá na quinta, sexta e sábado.  

Vai no blog do Coletivo Arteliteratura Caimbé para saber mais dessa onda e também do III Encontro dos Cordelistas que faremos na sexta (18.10).



segunda-feira, outubro 07, 2013

Na UFRR: oficina OcupAções Culturais: muito mais que vinte centavos de arte

Esta semana participo da XI Semana de Letras da Universidade Federal de Roraima. É a segunda vez que estarei neste evento acadêmico. Nesta ocasião vou ministrar uma oficina intitulada OcupAções Culturais: muito mais que vinte centavos de arte. 

O nome vem lá das mobilizações do meio ano. A inspiração, do trabalho que faço no Coletivo Arteliteratura Caimbé desde 2009. 

Quando estava decidindo entre ofertar à coordenação da semana um curso ou uma oficina, pedi dos amigos da web links que falassem de ocupação cultural.  Consegui estes, que compartilho com todo mundo:










domingo, outubro 06, 2013

A poesia que poderia ser minha

Curitibas, de Paulo Leminski, mas poderia ser Boa Vista, de minha autoria, se houvesse gabarito para tanto:

      Conheço esta cidade
como a palma da minha pica.
      Sei onde o palácio
sei onde a fonte fica,

      Só não sei da saudade
a fina flor que fabrica.
      Ser, eu sei. Quem sabe,
esta cidade me significa.

[do livro La Vie en Close]

quinta-feira, outubro 03, 2013

Blog dos Indígenas na Revista Fórum




Eis o novo projeto em que me meti: o Blog dos Indígenas, veiculado no site da Revista Fórum a cada vez que houver uma postagem interessante.

O blog nasceu a partir de conversas com Renato Rovai, chefão da revista, lá em Nova Olinda, durante o Fórum Onda Cidadã 10 (Não, ainda não postei sobre essa viagem, feita em julho. O texto está até pronto, mas falta baixar umas fotos para ilustrar. Preguiça plus).

Enfim, para os interessados, aqui o link para o Blog dos Indígenas.
 

terça-feira, outubro 01, 2013

Falando sobre Vinicius de Moraes

O jornal Mundo Jovem, editado há 50 anos pela PUC do Rio Grande do Sul, traz na edição de outubro um texto de minha autoria sobre Vinicius de Moraes, bossa nova, poesia e alegria. Tudo junto na mesma página, para minha alegria de escritor.


Clica que amplia

 

Depois vou fotografar melhor a página para que possam ler o texto. Enquanto isso, navega no site do Mundo Jovem.

terça-feira, setembro 17, 2013

Vídeo de um sarau na beira do rio Branco

No Coletivo Arteliteratura Caimbé fico fazendo várias coisas. Uma delas é ajudar a montar saraus pela nossa linda cidade.

Veja aí um vídeo feito para registrar o último que fizemos:

E aqui um sarau de março:

quinta-feira, setembro 12, 2013

Falando sobre blogs e mídia livre na Rádio Nacional da Amazônia

No dia 2 de setembro dei a minha segunda entrevista para a Rádio Nacional da Amazônia. 

Desta vez falei sobre o blog Cultura de Roraima, que criei em 2010 para falar de arte, cultura e coisas afins produzidas e feitas aqui no Estado. 

 A entrevista foi concedida a Morillo Carvalho para o bloco Amazônia.com do programa Mosaico justamente no dia em que a emissora completava 36 anos de criada. 

Confira o áudio, gentilmente cedido pela produção do programa. Quem ouvir perceberá que prolixamente falei do blog, de mídia livre, mapeamentos e da importância dos grupos culturais terem os seus registros na internet para que possam ser encontrados.






A primeira vez que fui entrevistado pela Rádio Nacional da Amazônia foi para falar de um sarau homenageando Carlos Drummond de Andrade, organizado pelo Coletivo Arteliteratura Caimbé no Centro Multicultural da Orla Taumanan. 

quarta-feira, setembro 04, 2013

Venha para a construção coletiva do novo texto do Plano Nacional do Livro e Leitura

Amigos e conhecidos da vida real e virtual,

Existe um documento chamado Plano Nacional do Livro e Leitura que busca traçar as diretrizes para as políticas públicas do setor da literatura, livro, leitura e bibliotecas.

Este documento está sendo revisado pelo Governo Federal e pelos integrantes do Colegiado Setorial de Literatura, Livro, Leitura e Bibliotecas/Conselho Nacional de Política Cultural  (Veja o que é isso clicando aqui  e economizamos espaço).

Como representante eleito da cadeia criativa (escritores, ilustradores, repentistas, declamadores e todo o pessoal que produz a literatura brasileira em qualquer suporte) sou parte desse processo. A reunião em Brasília apresentando as sugestões está marcada para os dias 17 e 18 de setembro.

Poderia levar apenas a minha opinião pessoal, baseada em estudos e leituras particulares, mas a representatividade é algo mais, é receber o retorno de vocês para apresentar as nossas demandas lá em Brasília.

Dito isso, convido vocês a ler os objetivos e metas do PNLL e depois me enviarem suas sugestões sobre:

a)      Melhoras da redação atual;

b)      Eventual transformação dos objetivos em metas;

Vou listar abaixo os objetivos para facilitar a leitura. Quem quiser colaborar tem até o dia 10 de setembro para fazê-lo. Mandem suas participações para edgarjfborges@gmail.com.

Vou deixar também um link para que baixem o PDF do Plano.

Olhem a parte dos eixos norteadores e vejam se podem sugerir linhas de ação para o Governo Federal. Ou escrevendo mais claramente: sugiram estratégias para que os Ministérios da Cultura e da Educação possam trabalhar mais efetivamente pela consolidação de um Plano que atenda aos interesses do povo que mexe com literatura, livro, leitura e  bibliotecas.

A seguir, os objetivos e metas do PNLL, objeto principal deste email:


4. Objetivos e metas

O objetivo central da Política de Estado aqui delineada é o de assegurar e democratizar o acesso à leitura e ao livro a toda a sociedade, com base na compreensão de que a leitura e a escrita são instrumentos indispensáveis na época contemporânea para que o ser humano possa desenvolver plenamente suas capacidades, seja no nível individual, seja no âmbito coletivo.

Há a convicção de que somente assim é possível que,na sociedade da informação e do conhecimento, ele exerça de maneira integral seus direitos, participe efetivamente dessa sociedade, melhore seu nível educativo (em amplo sentido), fortaleça os valores democráticos, seja criativo, conheça os valores e modos de pensar de outras pessoas e culturas e tenha acesso às formas mais verticais do conhecimento e à herança cultural da humanidade.

Trata-se de intensa valorização dos caminhos abertos ao indivíduo pela cultura escrita, sem que se deixe de reconhecer e se tente apoiar e preservar a cultura oral de nosso povo. Busca-se criar condições necessárias e apontar diretrizes para a execução de políticas, programas, projetos e ações continuadas por parte do Estado em suas diferentes esferas de governo e também por parte das múltiplas organizações da sociedade civil, lastreada em uma visão republicana de promoção da cidadania e inclusão social e segundo estratégias gerais para o desenvolvimento social e de construção de um projeto de Nação que suponha uma organização social mais justa.

São estabelecidos aqui alguns objetivos que devem ser alcançados a curto, médio e em longo prazo:

a) Formar leitores, buscando de maneira continuada substantivo aumento do índice nacional de leitura (número de livros lidos por habitante/ano) em todas as faixas etárias e do nível qualitativo das leituras realizadas;

b) implantação de biblioteca em todos os municípios do país (em até 2 anos);

c) realização bienal de pesquisa nacional sobre leitura;

d) implementação e fomento de núcleos voltados a pesquisas, estudos e indicadores nas áreas da leitura e do livro em universidades e outros centros;

e) concessão de prêmio anual de reconhecimento a projetos e ações de fomento e estímulo às práticas sociais de leitura;

f) expansão permanente do número de salas de leitura e ambientes diversificados voltados à leitura;

g) identificação e cadastro contínuos das ações de fomento à leitura em curso no país;

h) identificação e cadastro contínuos dos pontos de vendas de livros e outros materiais impressos não periódicos;

i) elevação significativa do índice de empréstimos de livro em biblioteca (sobre o total de livros lidos no país);

j) aumento do número de títulos editados e exemplares impressos no país;

l) elevação do número de livrarias do país;

m) aumento da exportação de livros; ex pansão do número de autores brasileiros traduzidos no exterior;

n) aumento do índice per capita de livros não-didáticos adquiridos; ampliação do índice de pessoas acima de 14 anos, com o hábito de leitura que possuam ao
menos 10 livros em casa;

o) estimular a criação de planos estaduais e municipais de leitura (em até 3 anos),

p) apoiar o debate e a utilização de copyrigths não-restritivos (copyleft e creative commons), equilibrando direito de autor com direitos de acesso à cultura escrita.

quarta-feira, agosto 28, 2013

Sobre as aparências dos mais médicos, ops, das pessoas

Gente, quando me virem por aí de cabelo solto no naipe “vagabundo desempregado”, brinco na orelha, bermudão, chinelo de dedo, comendo em churrasgatinho e com essa cara de índio pobre, saibam que tenho duas graduações, uma pós, já escrevi um livro, tenho filho, pago minhas dívidas, já plantei muitas árvores, ajudo meus parentes, faço a tarefa de casa com meu moleque e pago meus impostos direitinho.

Traduzindo: não é a aparência que define a sua formação, capacidade e caráter.

terça-feira, agosto 27, 2013

Que venham mais médicos

Sou de fora, sou estrangeiro. Aqui no Brasil fulaninho já tentou desmerecer o meu trabalho por isso. Lá na Venezuela os meus pais sofriam preconceito por serem de fora.

Por isso não dá para concordar com qualquer movimento xenófobo, sobretudo se a raiz for corporativista. Ainda mais quando é contra uma medida que pode melhorar a qualidade de vida da população.

Sou a favor dos médicos cubanos, portugueses e de qualquer parte do mundo atenderem àquela parcela de brasileiros que mora em lugares onde ninguém quer ir para consultá-los. Lá, ou aqui, dependendo de onde você estiver lendo, falta tudo e o que vier já transforma a vida para melhor.

Dane-se o corporativismo dos médicos. O programa Mais Médicos teve como base justamente essa falta de vontade da maioria deles para encarar os grotões. Se há quem queira ir trabalhar no fim do mundo, que seja contratado, preparado e colocado lá. Reclamações sobre o atendimento? Se há quando se trata de hospitais de ponta e médicos renomados, qual a razão de pensar que não haverá agora? Que os órgãos fiscalizadores trabalhem e tudo se encaminhará.

Paralelamente sou a favor que haja mais fiscalização sobre os recursos aplicados na saúde. Sim, pois essa grana é alta, vem para os estados e municípios e é um dinheiro que os governadores, prefeitos, vereadores, deputados, senadores e outros adoram meter a mão. Ignorar isso é ser escravo da mediocridade.

Também sou a favor de que se exija mais profissionalismo dos médicos que atuam nas redes públicas. Que cumpram a carga de trabalho e não usem dedinhos de silicone para marcar o ponto. Que reclamem na diretoria da unidade de saúde se estiver faltando material e metam o Conselho Regional de Medicina na briga.

Se toda essa força e valentia contra o programa Mais Médicos tivesse sido aplicado em cobrar o uso correto dos recursos direcionados para a saúde, aí a situação seria outra há muito tempo.

quinta-feira, agosto 22, 2013