terça-feira, agosto 31, 2010

Curta: "El Dinosaurio" de Augusto Monterroso


Não lembro como cheguei hoje no blog "BiblioFilmes Festival - Baseado no Livro", que se apresenta como "um conjunto de iniciativas para a Comunidade da Língua Portuguesa usando um novo conceito de promoção do livro, da biblioteca e da leitura através das novas tecnologias e do cinema".

Só sei que foi via buscador Google, a bíblia moderna que nos dá respostas para tudo. Da postagem de arquivo fui para a principal e olha que maravilha que encontre: curtas inspirados no microconto/miniconto/micronarrativa "O Dinossauro", de Augusto Monterroso. 

Show de bola. Eu mesmo, para o livro que ainda não foi publicado, fiz uma versão do mais famoso dos pequenos contos.

Bom, sem mais lero-lero, curtam aí essas leituras audiovisuais de "El Dinosaurio".



segunda-feira, agosto 30, 2010

Semana do calor

1. Quente, muito quente. O final de semana foi assim. A segunda foi pelo mesmo rumo. Acho que o verão acabou de chegar, daquele jeito...

2.Saiu na imprensa que o La Niña ia aliviar a nossa barra, fazendo com que chovesse um pouco. Acho que foi furada. A única coisa parecida que deu por esses dias veio com tanta ventania que arrancou telhados, derrubou árvores e mandou pro chão postes de publicidade. Chuva mesmo foi só um tantinho, uma bobagem. Se bem que foi destruidora.

3.Até sexta-feira dando aulas na Universidade Federal de Roraima, numa oficina sobre ciberliteratura integrante da programação do III Seminário de Integração de Práticas Docentes e I Colóquio Internacional de Práticas Pedagógicas e Integração.

4. Dizem que Boa Vista é o fim do mundo. Se é verdade, então está justificado esse calor. Se subir mais um grau, tudo começa a incendiar. O caos vai se instalar e correrá pelo mundo. Aí vai começar o final de tudo o que conhecemos. 2012 é aqui, em Roraima.

sexta-feira, agosto 27, 2010

Homenagem

A escola estadual 13 de Setembro, cujo nome relembra a data de criação do extinto Território Federal do Rio Branco, depos de Roraima, fez hoje sua XII Mostra Poética.

Passei parte da tarde lá, como jurado da modalidade interpretação. Como sempre, foi agradável ver a molecada participando com muita disposição da mostra.  

Coordenada desde o começo pelo professor e poeta Aldair Ribeiro, é o evento continuado mais antigo nas escolas do Estado.Já revelou bons talentos, gente que saiu da escola para ganhar prêmios em concursos estaduais e encaminhou pelo caminho da literatura.

Divulgo e ajudo de várias formas a mostra desde a primeira edição. Por isso ganhei hoje o diploma Amigo da Escola 13 de Setembro. O primeiro concedido. Fiquei envaidecido com o carinho.

Depois falo mais. Agora tenho que me esquivar da chuva doida que cai na cidade depois de uma tarde de intenso calor. 

terça-feira, agosto 24, 2010

Abusadinho, ou sobre a falta de educação no funcionalismo público


Um artista plástico frustrado hoje me chamou de "abusadinho" só por estar tomando cuidado com as peças de outro artista. 

Quer dizer, nem sei se o cara é frustrado. Sei que é artista plástico das antigas, desses que vivem aparecendo nas colunas sociais como se fosse um sujeito muito bem-sucedido, dos que vivem exclusivamente de sua arte. 

Hoje, no entanto, descobri que o cara é funcionário público como eu, um escritor pobre, que bate expediente para garantir a vida e o leite das crianças da maloca. A diferença é que eu nunca chamei de "abusadinho" nenhuma pessoa que fosse ao meu local de serviço, nem quando de fato a pessoa merecesse esse tratamento (E olha que um bocado já fez por onde). Afinal, acredito que ser cordato no serviço público é o mínimo de obrigação a cumprir. 

A situação foi surreal: o Coletivo Arteliteratura Caimbé, do qual faço parte, ainda está com uma exposição montada no Sesc Roraima. São telas do pintor Bartô, fotografias de Tana Halú e poemas meus e de Zanny Adairalba, herança da Mostra Vídeo Índio Brasil.

Tana recebeu, ainda durante a mostra, um convite para levar a exposição a um lugar muito bacana aqui do Estado. Local de estudos, de conhecimento, daquilo que chamamos rotineiramente de "cultura". Como ele viajou, hoje fui nesse lugar conversar com a simpática diretora do mesmo. A moça me tratou muito bem, me levou até o local onde vão ficar as peças e chamou o responsável pelas montagens das exposições. Esse é o tal artista, aquele que chamei, talvez injustamente, de frustrado no começo do texto.

Começamos a conversar sobre o número de telas, o tamanho das fotos, a ideia de ampliá-las, como ficaria distribuído o material, essas coisas comuns neste tipo de situação.

De repente, eu digo algo sobre os cuidados que devem ser tomados para não danificar as telas do Bartô (Afinal, já basta estar expondo sem ganhar nada. Se danificar, eu é que vou ter que pagar). É nessa hora que o respeitável artista plástico/dublê de montador de exposições me pergunta: 

- E quem vai montar a exposição, vocês?
- Não. Vocês.
- Ah! Tu tá muito preocupadinho com essa montagem, com medo de danificar as peças!

Segundos de surpresa com a volume de voz, o tom da voz e as frases do artista plástico/dublê de montador de exposições/funcionário público que nunca havia me visto na vida.

Peraí. Eu não sou seu amigo, não lhe conheço e não lhe dei autoridade para falar assim comigo. Por isso, vamos recomeçar, falei, usando toda a boa educação que mamãe me deu na maloca.
Que recomeçar o que? Tu tá muito abusadinho, com medo de rasgar as telas do outro...

Sinceramente, a vontade que me deu foi de mandar o pseudo-artista plástico/dublê de montador de exposições/funcionário público que nunca havia me visto na vida/pessoa sem nenhuma educação dirigir-se a algum lugar onde pudesse, confortavelmente, sentar, pegar o seu dedo médio e introduzi-lo onde lhe causasse prazer. Como na hora eu pensei que ele não merecia sentir prazer, optei por ignorá-lo e me dirigir à simpática diretora, que estava paralisada, com uma expressão de terror: 

- Eu vou conversar sobre a exposição com você ou com ele? Se for com você, ótimo. Com ele, não converso mais.

A elegância da moça controlou a situação, acalmou o exaltado e fez com que continuássemos a conversa (ela e eu. O sujeito se retirou  pisando forte). Acertamos que, em breve, as telas (se o Bartô deixar, claro) e as foto e poemas que estão no Sesc Mecejana até o final do mês vão mudar de lugar por um bom tempo. 

Verdade seja dita: se o convite tivesse sido feito a mim e não ao Tana, teria desmarcado só pela grosseria. É por reações e comportamentos como o de essa figura que adora uma coluna social que o poder público é tão criticado. 

Up date: esta postagem de junho revela o motivo de ter me controlado. É defeito pós-filho.

segunda-feira, agosto 23, 2010

Boas notícias de agosto 

Depois da participação no e-book da Editora Novitas, aproveito para compartilhar uma outra boa notícia de agosto. Saiu nesta segunda (23) o resultado da Bolsa de Circulação Literária da Funarte (Fundação Nacional de Artes).

O meu projeto Caminhada Arteliteratura, a ser desenvolvido em comunidades indígenas de Roraima e na cidade de Palmares (PE), aquela que foi praticamente destruída pelas enchentes, foi um dos classificados pela região Norte.


 
Agora é só checar se não aparece nenhuma dívida com a Receita. Estando tudo Ok, vamos circular!  

Quem quiser conferir se o seu projeto ou o de um conhecido foi aprovado, o link é este.

Em tempo: o nome é uma referência ao Coletivo Arteliteratura Caimbé, do qual faço parte. 

Depois escrevo mais sobre o projeto. Agora vou ali, tirar uma certidão negativa de débito com a Receita e começar a fazer a conta de como vou me arrebentar ano que vem com o Imposto de Renda...

Falando nisso, vocês que acessam esta casinha de histórias conhecem alguma editora livre para publicar um livro de micronarrativas?

quarta-feira, agosto 18, 2010

Mais um e-book no ecrã


A Editora Novitas, lá do Rio Grande do Sul, lançou esta semana o e-book Apenas o Necessário, com frases publicadas por 36 autores no Twitter.


Este índio blogueiro está na coletânea. Verifique na página 19.



Depois de ler minha página, com frases pinçadas do perfil no Twitter, dá um pulo no meu e-book solo, o Roraima Blues, publicado pela revista de micronarrativas Minguante, lá de Portugal.





Se tu ainda tiver tempo livre, vai na gaúcha revista Veredas, focada em minicontos e micronarrativas, clica no link “Minis por autor” e tu vai me encontrar também.



Depois de toda essa viagem virtual, volta aqui e comenta aí no espacinho dos comentários.

sexta-feira, agosto 13, 2010

Sexta-feira 13


Superstição? 

Coisa para os fracos e supersticiosos. Eu só acredito em Makunaima e em bruxas. 

Às vezes, nem isso. Geralmente estou mais para a relação que Conan, o cimério, mantém com seu deus Crom: ele lá, nós aqui. 

quarta-feira, agosto 11, 2010

Literamistura


Nesta quarta sou uma mistura infame, intragável e cinza d’A Segunda Infância de Manoel de Barros, Aline de Adão Iturrasgarai, do bangue-bangue em HQ de Jonan Hex e dos hai cais de Mário Quintana e Paulo Leminski.

Reclamações ou informações, favor dirigir-se ao balcão 4, à sua esquerda, terceira porta azul-céu-antes-da-chuva.

Lá tem um folheto para distribuição gratuita sobre o final de um evento de vídeo indígena. Pode pegar e ler enquanto o atendente não chega. Com certeza o vagabundo saiu.

Agora, com sua licença, se você não vai escrever nenhum comentário, deixe a freguesia circular.

segunda-feira, agosto 09, 2010

Tweets sobre política


1. Acho fofo o povo da cultura roraimense que recebe sem trabalhar vir pedir meu voto, desinteressadamente, para quem lhes garante o ócio...

2. Cada vez que vejo a mansão de um político corrupto, penso na música "tá vendo aquele edifício, moço, ajudei a levantar"...

3. “E os arrogantes ficarão humildes e conviverão com os desfavorecidos”. Não, não é o Apocalipse. É a campanha das #eleições2010.

4. Hum...tem candidat@s feios@s que ficaram até degustáveis com a cirurgia plástica que o photoshop fez nel@s. #eleições2010

(Publicados aqui, neste perfil frontal que evita afrontar e busca ironizar, muitas vezes sem sucesso, mas vamos tentando.)

sexta-feira, agosto 06, 2010

Fugindo de viagem

É...vamos ficando velhos e tomando decisões esquisitas. Deveria ir a São Paulo semana que vem, participar de uma Reunião de apresentação da Proposta de Modernização da Lei do Direito Autoral.
O lance vai rolar na terça-feira (10), no Instituto  Itaú Cultural, espaço que sou louco para conhecer e deixar meus contatos para que mandem os belos materiais que editam rotineiramente. Iria como participante do Colegiado do Literatura, Livro e Leitura. Iria, no pretérito.
O problema é que fui fazer as contas e, pelo roteiro que me foi enviado, ia gastar 33 horas deslocando-me no trecho Boa Vista – Sampa – Boa Vista. Terrível.
A vontade de voltar a São Paulo depois de 9 anos e  participar desse encontro é grande, mas não tanta que me faça passar tantas horas dentro de um avião e em aeroportos numa viagem em território nacional. Esse é o preço que pago por viver na capital mais setentrional do Brasil e último ponto de parada das duas únicas empresas aéreas que nos atendem: Gol e Tam.
Bá...estou indignado...
Bom, este post é mais para quem vive perto de São Paulo, vai entrar aqui por acaso e acha legal participar da Reunião de apresentação da Proposta de Modernização da Lei do Direito Autoral. O encontro será das 15h às 18h, no Itaú Cultural.

O blog da consulta, caso você não conheça, é este aqui. Tem espaço para sua opinião, que é muito importante para melhorar a atual lei.  Vai, clica e contribui.

quinta-feira, agosto 05, 2010

OFF


Às vezes, é desse jeito mesmo:
Muito silêncio e pouco barulho.
Às vezes, é pior do que isso:
Excesso nas ideias, pouco juízo.
Às vezes, é melhor ficar assim:
Uns no exagero. Eu, aqui, miudim.