quinta-feira, abril 29, 2010

Tuitadas  
1.
Dos cuerpos frente a frente
son a veces navajas
y la noche relámpago. (Octavio Paz)
2.
Brasileiro não sabe quanto paga de imposto, diz estudo da Fiesp http://migre.me/z5H9
3.
RT @CNPq CNPq e CAPES financiam projetos de pesquisa em ciências humanas e sociais http://www.cnpq.br/saladeimprensa/noticias/2010/0423.htm
4.
Acaba, abril, acaba para que as águas de maio lavem toda a urucubaca que carrego desde o começo do mês.
5.
Vivemos, citando Phillipe Breton, em uma “sociedade intensamente comunicada, mas escassamente reunida.”
6.
Toda a #poesia de Vinicius de Moraes para ler de graça na Biblioteca Brasiliana http://migre.me/zIVW
7.
Todos os candidatos a alguma coisa estão recebendo títulos de cidadão boa-vistense? Então vou ser candidato para ser homenageado. #carência
8.
RT @blogComunicante Banco do Brasil abre inscrições para projetos culturais: http://wp.me/pezFO-2Hn
9.
Sábado (1º), às 9h, grupo argentino Duende Trio realiza oficina de percussão no Centro Multicultural da Orla Taumanan. R$ 20
10.
RT @ PortalEducacao  WEB PARA EDUCADORES: Guia para produção de curtas e outras dicas para a criação de vídeos na escola - http://ow.ly/1E1P4
11.
@adriasantosrr @borgesedgar Pq será que a gente quer tanto que termine abril? #prareceberosalario
12.
2 de maio (domingo), 19h, Praça das Águas, comemoração do Dia Mundial da Dança.
13.
Uma ficha de inscrição em edital de 4,19 megas e com apenas duas páginas? Tem coisas que só o Ministério da Cultura faz por você.
14.
Quer me seguir? À vontade. A recíproca pode não ser verdadeira ou demorar mais do que você gostaria.

quarta-feira, abril 28, 2010

Sessões de cura
 
Fisioterapia no pai
Fisioterapia no filho.
TV em seriados bobos
Dores na mão
Maria das Dores na outra.
Tarde quente
Lápis na mão, bloco branco
Médico cubano
Criança deficiente
Espera
Novela
Mão no
Joelho
E lá
Inflamação.
Inferno astral
Máquina de tortura?
Máquina de cura...
Recomeço adjetivado
Profissional substantivo
Liberal, público.
Regravações
Falsos estúdios
Falsos cantores
Dublagem fantástica
Efeito Glee?
Idosos, lentos idosos
Lentos adultos
Ossos quebrados
Nervos inflamáveis
Alegria ficcional
Ícones dos 1990
Sobreviventes nos 2000
Respiração, inspiração
Cascatas, canastrões
Um sorriso
Hora de alongar e ir.
Trem da morte
Bolívia 2004
Saída do norte
Espera, acelera
Para, segue, cai
Recomeço
Nos Andes, anda.
Recomeço
É só o começo.

segunda-feira, abril 26, 2010

Dias azedos de abril

Os dias continuam pesados em minha aldeia. Se por alguns momentos a tranquilidade aparece, na sequência surge algum novo problema ou um desdobramento de questões que ainda não estavam resolvidas.
 
Abril, até agora, só trouxe de bom a chuva, nada fora isso. Estou propenso a crer em inferno astral e superstições desse tipo. Já estaria acreditando se soubesse como funciona e quando termina essa história. Como desconheço essa relação e a internet está muito lenta para fazer pesquisas, vou esperando apenas abril acabar e ver se o fim do mês é igual ao fim da urucubaca. Meu desejo é que as águas de maio sejam mais fortes que as caídas até agora, lavem tudo e levem essa maré de sorte contrária.

Para ajudar as águas de maio, ando lendo poesia. Devorei duas edições da revista literária Coyote, presentes do confrade Ademir Assunção; li “Um brinde a três amigos”, do paranaense Nilton Bobato, um pouco de Octavio Paz e uma coletânea de hai kais e tercetos de Mário Quintana. Vou agora para a Autofagia, revista editada em Minas Gerais pelo músico Makely Ka. Depois, planejo cair sobre contos africanos e a segunda infância de Manoel de Barros.

Minha esperança era a poesia me ajudar a encontrar soluções, alternativas para as encruzilhadas do quarto mês do ano. Por enquanto, vou só confirmando que a poética é um pouco inútil para questões mundanas. Ajuda apenas a esquecer um pouco os perrengues e a pensar como seria bom ter lido mais, viajado mais, experimentado outras construções literárias. Acho que é isso: a poesia apenas inquieta, mas não te ajuda a resolver nada.
 
Arg...abril me deixou azedo. Espero que maio venha doce.

terça-feira, abril 20, 2010

Colgando en tus manos


Essa música tem algo que me fascina. Acho que é progressão sonora que adoro, com o violão abrindo e os instrumentos entrando aos poucos. Talvez seja por falar de “poemas feitos à mão” e “canções do 4.40”, uma banda das antigas que sempre acompanhou o cantor Juan Luis Guerra, ou pelo fato de referenciar a Venezuela e viagens que os personagens fizeram.

Talvez seja tudo isso. Talvez seja a figura “meu coração está pendurado em tuas mãos”. Acho que é culpa de meu espírito brega latino, resquícios de minha infância e começo de adolescência ouvindo a música ranchera de Ana Gabriel e Vicente Fernandez em Guasipati, indo às coleadas, sintonizando emissoras de rádio AM, gravando fitas cassete com merengues e salsas que falavam de amor e outras coisas em espanhol.

Não sei bem o que é, mas tenho certeza: não é nenhum dos videoclipes, seja o da versão solo de Carlos Baute ou o gravado com Marta Sanchez. Entre as duas produções, optando, a de melhor visual é a primeira. Tem essa mítica do homem errante em busca de se encontrar no meio do mundo. Gosto disso, desse contraponto à minha sedentariedade. Deixo os dois para quem quiser opinar.



e

segunda-feira, abril 19, 2010

Entre notícias boas e notícias ruins

 
O tempo está correndo desfavorável por aqui.

Tirando a chuva, que veio espantar o calor, tudo vai a meia-boca. Na minha média esperada de três notícias boas por mês, a conta vai baixa.

Até semana passada era uma notícia boa e uma meia que caminhava para ser completa. Hoje já caiu. O placar das negativas, no entanto, continua a crescer: o pequeno índio com pneumonia, notas de concursos abaixo do esperado, Imposto de Renda a pagar acima do suportável, dores na mão aumentando, assim como o peso.

 

Releitura d'O Grito extraída sem pedir licença do site Antropofocus

Além de tudo isso, uma maldita crise criativa instalou-se em mim. Nada de textos ficcionais surgindo. Na verdade, só cheguei até aqui neste post por tratar-se de algo descritivo. Claro que a dor na mão incomoda um pouco, mas neste teclado que uso agora dá para aguentar. É só ficar alongando a toda hora os músculos.

Enfim, para os que estão com a criatividade em alta e sem sinais de LER-DORT, vai a dica: a Funarte abriu diversos editais relacionais à questão literária. Estão todos no site da Fundação. Se não abrir ou se quiser ver todos os editais do Ministério da Cultura, vai aqui e escolhe.

Eu vou ficar por aqui, tentando atingir a minha média esperada de três boas notícias por mês e até rezando para acabar abril. 

segunda-feira, abril 12, 2010

Sobre participação no Conselho Nacional de Política Cultural


Amigos e amigas de jornada literária no Norte do Brasil,
 
Este post é para relatar a minha participação, representando a região Norte, na reunião do colegiado do livro, leitura e literatura do Conselho Nacional de Política Cultura, realizada no dia 6 de abril.

 


O encontro em Brasília teve participação de representantes de quatro macrorregiões e das cadeias produtiva, mediadora e criativa. Algumas pessoas não participaram por problemas de transporte (a chuva da semana passada e a confusão do MinC na hora de mandar as passagens prejudicaram todos os segmentos).

Do Norte, o escritor João de Castro (PA) também esteve presente. Ele faz parte dos representantes da cadeia criativa. Ficou apenas um dia pois tinha de voltar para agilizar o II Jirau da Literatura Paraense.

A reunião aconteceu à tarde. O foco foi definir uma agenda de trabalho para as reuniões que serão realizadas este ano em maio e em setembro. Talvez haja uma reunião extraordinária em junho, durante o encontro dos Territórios da Leitura.

A ausência de alguns conselheiros impossibilitou que fosse escolhido o representante de nosso colegiado para o plenário do CNPC. Pelo mesmo motivo não houve posse oficial. O MinC se comprometeu a publicar a relação dos nomes no Diário Oficial da União até o mês de maio.
 
A comissão que organiza o CNPC distribuiu cópias do plano nacional de cultura e um relatório de atividades dos dois primeiros anos de nosso colegiado e do CNPC.

Nos dias 7 e 8, juntamente com outros conselheiros de nosso segmento, participei como espectador da 9ª reunião ordinária do CNPC, cujos detalhes vocês podem conferir clicando nos seguintes links:
 
É importante que todos estejam cientes do que trata este projeto e de sua importância para a política cultural do país. A mobilização dos deputados de nossa região é fundamental. 

Do Norte apenas o Tocantins e Rondônia (deputados Marinha Raupp e Nilmar Ruiz) têm representação na comissão especial que analisa a PEC do SNC.

Esse povo tem que ser estimulado a aprovar o projeto. Para quem não conhece o que é o SNC, vai o link do blog:

A votação do relatório será nesta quarta-feira (14), conforme esta matéria do MinC e a agenda da comissão publicada no site da Câmara:

Acessando este, é possível ver ao lado esquerdo da tela um link para verificar quem faz parte da comissão)

Durante todos os dias foi ressaltada a necessidade da sociedade “apropriar-se” (palavra usada a toda hora pelos técnicos do MinC) dos documentos resultantes da II Conferência Nacional de Cultura.

Quem ainda não baixou as propostas, pode fazê-lo clicando neste link:
 
Colegas de literatura, por enquanto o que tenho a dizer é isso. Organizem-se e cobrem em seus estados apoios de suas bancadas para aprovação dos projetos. Eles nos beneficiam diretamente com a melhoria das políticas públicas para nossas áreas de atuação.

É isso. Um abraço literário.