terça-feira, junho 30, 2009

Mulher do Garimpo: um retrato da Boa Vista do século passado

Roraima tem muitos escritores e vários já abordaram a história da formação deste pedaço quente de chão. Uma dessas pessoas foi Nenê Macaggi, que chegou por estas bandas no começo do século passado, foi garimpeira, morou com os índios, escreveu livros e montou família. Há uns três ou quatro anos, sua história foi contada em um documentário.

O Palácio da Cultura, localizado na Praça do Centro Cívico, leva o seu nome.(foto tirada deste site)

Ah, aqui a ficha do livro, dificílimo de ser encontrado: A mulher do garimpo – O Romance do Extremo Sertão Norte do Amazonas. Manaus: Imprensa Oficial do Estado do Amazonas, 1976.

A cópia de onde tirei o texto pertence ao escritor Adair Santos, que foi amigo de D. Nenê e é avô do indiozinho que manda na minha maloca. O material ajuda a montar o cenário da pequenina e modorrenta Boa Vista daquele tempo. Boa leitura e se for copiar não esquece do
crédito de D. Nenê.


BOA VISTA DO RIO BRANCO

I


Boa Vista do Rio Branco, pouco acima da linha do Equador que ladeava a formosa Serra Grande, perto de Santa Maria do Boiaçu, ficava na margem direita do alto-Rio Branco e era cercada pelas Serras Pelada, Grande, Malacacheta, Moça e Murupu. Distava de Manaus quinhentas e quarenta e seis milhas.

Vilarejo até 1926, pequenina e triste, possuía na ocasião regular número de habitantes.

A primeira penetração do Vale se havia dado entre 1500 e 1700, quando o Branco tinha o nome de Paraviana ou Kuluêne, por causa da tribo dos Paravianas que desceu o Uraricoera e veio se instalar perto de Boa Vista.

Em 1725 Frei Salvador, monge carmelita, a fim de concentrar os índios para pacificá-los, fundou a Freguesia de Nossa Senhora do Carmo do Rio Branco, hoje cidade de Boa Vista, construindo a Igrejinha local onde se achava agora a Matriz, perto do rio.

Mais tarde, em 1774, Pereira Caldas, Governador do Grão-Pará,
mandou construir, na boca do Itacutu, o Forte de São Joaquim, ampliando o povoamento do Vale e fazendo expulsar os espanhóis da região. Depois, em 1766, houve um conflito com os holandeses, sendo o famoso Ajuricaba, acusado de trair a Pátria.

Em 1789, o Coronel Lobo D’Almada, então Governador da Capitania de São José do Rio Negro, trouxe as primeiras reses para os lavrados do Rio Branco, fundando a fazenda de São Bento, no Uraricoera, perto da embocadura do Itacutu, formador do Rio Branco.

Em 1839 deu-se a invasão dos ingleses, quando já o Amazonas era Província. Atrevidamente os orgulhosos invasores ensinaram a língua inglesa ao gentio, incutindo-lhe que o Rio Branco pertencia à Inglaterra. Frei José dos Inocentes foi encarregado de expulsá-los, resultando daí a Questão de Limites com a Guiana Inglesa, possessão da Inglaterra, que durou anos e anos, sendo eles afinal expulsos do Forte pelo Alferes Paulo Saldanha.

Em julho de 1890, a sede da Freguesia, possuindo duzentos habitantes, foi elevada à categoria de Município, com o nome de Boa Vista do Rio Branco, tendo então dois milhões, cento e quarenta e um mil trezentos e dezesseis limitando-se: ao Norte e Leste, com a Venezuela, pelos Montes Roraima (dois mil oitocentos e setenta e cinco metros de altura) e Caburaí (fronteira com a Guiana Inglesa) e pelo Rio Maú; ao Sul, com a cidade de Moura, pelos Rios Catrimâni e Anauá. E sua faixa de fronteira se alongava por novecentos e cinqüenta e oito quilômetros, com a Venezuela e por no
vecentos e sessenta e quatro com a Guiana Inglesa.




Fazenda Boa Vista e Igreja Matriz, 1905 (Acervo PMBV). Atrás do fotógrafo ficava o Porto do Cmento.


II


O povoamento do Rio Branco muito se deve aos cidadãos Inácio Lopes de Magalhães, que fundou a primeira escola em Boa Vista e da qual foi depois professor o tão querido Velho Mota, ou melhor, João Capistrano da Silva Mota; Sebastião Diniz, Fábio Leite, Carlos Mardel de Magalhães e Professor Diomedes Souto Maior.

Banhava a cidade o Rio Branco, formado pelo Itacutu, vindo da Serra do Pacaraima e pelo Uraricoera, oriundo da junção do Santa Rosa com o Maracá, os quais rodeavam a extensíssima Ilha de Santa Rosa Ou Maracá.

Município bastante rico, ficava Boa Vista quase completamente isolada de Manaus no verão, quando então o rio impossibilitava, pela seca, a navegação em grande parte. E sendo a água o único elo existente entre as duas cidades, ficava a população carecendo do necessário, pois raríssimo era o motor que se atrevia a subir e descer o perigoso rio.

O solo do Município tinha setenta por cento de planalto e trinta por cento de área montanhosa, salientando-se a Cordilheira do Parima, continuação dos Andes, com a Serra do Parima, a mil e cinqüenta e um metros de altitude e a do Tepequém, com mil e quatrocentos metros.

Muito espalhada, com poucas casas de alvenaria e inúmeras de taipa, cobertas de palha de buriti ou inajá. Sem árvores, sem praças e sem flores. Prédios velhos e feios. Quintais abertos e abandonados, sem uma horta ou jardinzinho. Só um bangalô, à distância, embelezando a paisagem. Nenhum grupo escolar, sendo raras suas escolas, regidas por professores primários. Sem cais e as margens do rio terríveis para a atracação das embarcações.

Ruas estreitas e barrentas e no centro da cidade um coreto coberto de palha. Nenhuma indústria. Comércio regular e população igual à das cidades interioranas: curiosa, maledicente, hospitaleira, alegre e amiga de festas e piqueniques.

A Igreja, bonitinha e bem conservada. Os dois únicos prédios novos e modernos, obra de Frei Gaspar, irmão leigo beneditino, pertenciam a uma comunidade estrangeira da Baviera: eram a Prelazia e o Hospital Nossa Senhora de Fátima, servida por dezesseis Madres Missionárias alemãs beneditinas. Como não havia médicos, Madre Radegundes, farmacêutica, operava. Eram elas as únicas pessoas que vendiam leite e verduras à cidade. O prédio da Prefeitura, de cons
trução antiga, era interessante, com uma franjinha e um colar de mosaicos azulados. Mas os fundos eram cobertos de palha e davam para o rio. A cadeia, exígua e frágil, agarrava-se

desesperadamente aos fundos da Prefeitura, como a pedir-lhe que não a desamparasse senão morreria estatelada no chão.

Todo o policiamento era feito por três guardas municipais, com uniforme de camisa cáqui, calça de mescla e cinturão. Freqüentemente, de fuzil na mão, um ou dois deles levavam os presos para cortar lenha e capinar as ruas. Mal alimentados e maltratados, os sentenciados trabalhavam por dois mil réis diários, com comida.

O Mercado, paupérrimo. A matança de gado era livre. A carne não faltava e não havia fiscalização nas duas ou três reses que matavam por dia para o consumo da população.
O Quartel, na única praça sem adorno, era, parece mentira! Coberto de palha! A praça chamava-se Praça da Bandeira. E o Município fazia fronteira com dois países estrangeiros!
Perto do Quartel havia um campo de aterragem eventual de aviões. O Comandante dali devia estar em um quartel na fronteira brasíleo-venezuela ou guianense e não em Boa Vista, a dias de viagem das mesmas, visto como ainda não havia aviões e muito menos da FAB, anos mais tarde denominada Mãe de Boa Vista.

Ao redor da cidade, mato raso e cajuais de frutos saborosíssimos. O vinho de buriti, maravilhoso sempre, era vendido no Reis e no Chico Benício. E coalhada, longe, numa casinha isolada. O leite, ótimo, sem a mistura triste da água, mas escasso. Poucas frutas, mas todas excelentes. Ovos? Galinhas? Porcos? Outra criação doméstica? Cousa rara ali, sem mesmo se saber porque, pois espaço havia de sobra.

Nenhum cinema. Um clube, Os Caiçaras, de madeira, onde o pessoal se divertia. Nenhuma farmácia particular. E nem luz elétrica funcionando, com força motriz tão perto... e a escassa que havia só era acesa à chegada de personalidades de Manaus. E em cada canto de rua, baiúcas e bares repletos de bebidas e de jogadores.

E as autoridades, então? O Juiz de Direito, Dr. Vinitius, inteligente, bondoso e empreendedor, era dono de motor, no qual viajava e comerciava, de sociedade com o sogro, prestigioso político local e de coração grande: era o fazendeiro Homero Cruz. O Prefeito era caçador-pescador-fazendeiro e político temido e poderoso. Também tinha o coração largo e era tremendamente hospitaleiro. O Delegado de Polícia era miudinho, padeiro e vendedor de máquinas de costuras. E assim por diante...

quinta-feira, junho 25, 2009

Boa Vista ficando mais velha



Há quase 119 anos, num distante 9 de julho, o governador do Amazonas
(àquela tempo, Roraima era parte do gigantesco Estado do Amazonas), Augusto Ximenes de Villeroy, elevou a Freguesia de Nossa Senhora do Carmo da Boa Vista do Rio Branco, pertencente ao Município de Moura, à categoria de Município. Na década de 1930 é que passou a chamar-se definitivamente Boa Vista. Naquela época, tudo chegava por barco.




O desembarque era feito no
porto do cimento, aí onde fica o banco de areia na parte central da foto, feita nas primeiras décadas do século passado. Subindo o barranco, chegava-se à sede da fazenda que originou a cidade. Na sequência, fechando o triangulo, à esquerda ficava a Igreja Matriz e à direita a Intendência. A cidade, pequenina, acabava logo em seguida.


A foto colorida tem uns dois anos de feita e é do fotojornalista Tiago
Orihuela. No lugar do porto do cimento, a Orla Tauamanan, erguida sobre o antigo barranco. Sobreviveram daquela época alguns prédios, entre eles a sede da fazenda e a igreja Matriz. A cidade, como se percebe, cresceu um bocado, principalmente na década de 1980, quando milhares de garimpeiros baixaram por aqui atrás de ouro e diamante.
Mas isso é outra história, para outro post.




E nunca diga que o blog Crônicas da Fronteira é somente diversão para
gente desocupada. Aqui nois fala de história também.


É vero que também falamos bobagens com jeito de coisa séria. Por isso, aproveitando o gancho, vai no Orkut e te liga nas comunidades mais importantes dos últimos tempos:


Eu leio Crônicas da Fronteira (que pelo nome você pode deduzir o tema, inteligente leitor) e Eu conheço/adoro o Edgarzinho (Não é sobre mim. Ninguém gosta de mim a ponto de fazer comunidade amorosa. É sobre o meu filhotinho índio. Dele sim, todo mundo gosta. Até quem não gosta de mim.)


quarta-feira, junho 24, 2009

De quinta

Ei, tu que acha me conhecer, cadê tu? Ando meio dividido entre minhas dúvidas e as muitas recentes dívidas. Ando numa inquietação à década de 80, saca? Aquela dividida entre a depressão econômica e a euforia melancólica. Ando de carro. De carro velho, gerando custos e jogando CO2 a rodo no ar. Nas melhores horas, caminho um pouco na chuva leve, dividido entre usar proteção ou empapar a camiseta. O tempo já era. Ficou. Perdeu. E agora, o que tu me diz? Vamos de camiseta com manga comprida ou vamos comer manguita? Tá no tempo, tá no clima. E me diz, por favor, me diz que já não me amas, que não pensas mais em mim, que em mim não paras de pensar e tudo o demais é mentira, mesmo aquilo que até parecer ser verdade. E se a questão é ver, cerveja no copo de pinga, água na taça de vinho, vinho no gargalo, please....please, sim, we cant, me apetece, tire a sua roupa e tira a minha também, mas não tão rápido. Ando numa preguiça que nem te conto e se você bater a porta de novo nessa fúria posso até gamar, mas nunca vou me apaixonar por você. Mesmo que isso provoque seu ódio. E ódio, eu sei, eu sei, eu sei, baby, é o que ando provocando. Parece uma plantação: plantinhas de ódio regadas com muito carinho e orgânicas, para afastar bons olhados. Coordenaremos tudo, apontaremos as alternativas corretas, marcaremos as opções indicadas e talvez passemos, talvez fiquemos, mas tudo será por nosso própria (ir)responsabilidade e não poderemos jogar a culpa em ninguém. Quer dizer, poder, a gente talvez não possa, mas vamos fazer. Afinal, se tá no morro é pra subir e voltar voado, com as mãos cheias de música e um diploma no bolso sem grana, sem esperança, mas de grife, que a gente é pobre mas superlativo.

segunda-feira, junho 22, 2009

Divindades

Hades, malvado senhor das profundezas, comeu Afrodite várias vezes naquela noite de sexta, bem depois do happy hour no Olimpo. Ao amanhecer, refletiu um pouco e chegou à conclusão que a deusa não era tudo isso que comentavam no bar e que havia tido transas melhores.

Afrodite, linda e desejada, até hoje tenta levar Hades para qualquer canto escuro, ansiosa pelos trancos bem dados do gostosão.

quinta-feira, junho 18, 2009

Sobre o diploma: todos iguais, mas uns mais desiguais que os outros

Então fica assim: quem estudou jornalismo por quatro anos ou mais, fez pós, mestrado, doutorado e tal, favor não reclamar de ficar no mesmo nível de quem nunca passou no vestibular e agora poderá pleitar um posto nas redações. Também não será admitida qualquer discriminação com o sujeito que fez o curso de...de...de...direito, claro, e invocou de colocar no cartão de visitas: Dr. Advogado e Jornalista.

Da minha parte, engolirei meus comentários sarcásticos e meus grunhidos quando alguém me encontrar na rua e falar:

- Você viu? Estou apresentando um programa de TV agora. Comprei o espaço na hora do almoço e faço matérias, reportagens (sic) e entrevistas (sic). Ah, e vou tentar vestibular para alguma coisa este ano. Afinal, acredito que devemos ter um curso superior.

Também ficarei calado e não me irritarei quando outro qualquer falar/escrever sobre o fortalecimento da democracia com a decisão do STF, quando alguém comparar emitir opinião com emitir informação ou quando louvarem a si mesmos por terem começado a trabalhar na área sem ter o diploma.

Olharei calado o quase certo esvaziamento das salas dos cursos de jornalismo e não rirei dos coordenadores de cursos e diretores/reitores de faculdades/universidades que não se posicionaram a tempo sobre a questão.

Sobre a precarização da profissão de jornalista? Comentar o que, se muitos não sabem do termo precarização?

Por fim, não pensarei nos livros de ética e prática jornalística, nos exercícios, provas, disciplinas, nos quilômetros que pedalei e andei para terminar meu curso. No máximo, farei piada dizendo que prevendo isso fiz sociologia também. Quer dizer, ser sociólogo não me garante nada também, mas pelo menos não é todo mundo que pode reivindicar o título.

E, por favor, não venham falar das regras do jornalismo nos Estados Unidos e em parte da Europa, menos Portugal (ah, os portugueses, que tanto xingamos de burros, são inteligentes para entender o papel da regulamentação, da formação específica, dos detalhes que só o estudo aplicado faz. Bem diferente dos inteligentíssimos brasileiros...).


No mais, comentam-me alguns sobre a cela especial para pessoas com o curso superior ser coisa do passado. Isso sim é grave.

quarta-feira, junho 17, 2009

Anúncio


Ok, segurei essa imagem por mais de um mês desde que bati a foto dessa chamada. Pensei na maneira mais bacana de fazer a troça, mas me dei conta que gosto de piadas politicamente incorretas. Portanto, não haveria jeito bacana de falar da primeira coisa que me veio à cabeça quando vi esse cartaz:



Indiferente? Ao sexo? Nem pensar. Sou daquela linha filosófica que afirma: pode até ser ruim, mas se houve, foi bom. E aí não interessa se na outra ponta havia gente com o ensino médio ou com mestrado. Como diz um conhecido: basta haver gente. Só um, não tem graça.

terça-feira, junho 16, 2009

Má temporada

( Foto: Marcos Lima)

Dívidas, ameaça de ficar desempregado, desilusão amorosa, nota baixa na prova final, goteiras no quarto, moto com o tanque de gasolina na reserva, time do coração indo pra segundona, nada de grana no bolso.

Ninguém sabe o que acontece com o homem por baixo da roupa do alegre e dedicado Zé Gotinha.



................

Pais, responsáveis e afins, lembrem:



segunda-feira, junho 15, 2009

Notas de segunda, para não passar todo batido


Festival das quadrilhas juninas: Coração Caipira e Escola Forrozão são as melhores do Boa Vista Junina 2009.

Sábado é dia de vacinação contra a paralisia infantil. Num vai esquecer de levar teu moleque ou moleca!

O Fórum Permanente de Cultura de Roraima cria seu blog e se reúne a cada 15 dias. A próxima reunião é na terça 23 de junho, na videoteca do Palácio da Cultura. 18h30, aberto a todos os interessados no tema.
Veja o blog do Fórum.

Dica:
Enciclopédia da literatura Brasileira - verbetes sobre autores e personagens importantes da literatura brasileira com biografia, cronologia, relação de obras e suas traduções, bibliografia e depoimentos do autor e uma seleção de obras representativas do autor.



Chove cada vez mais. E isso começa a dificultar a saída da cama pelas manhãs....hum...que preguiça....

quarta-feira, junho 10, 2009

Quarta, 10 de junho de 2009


Um ano e cinco meses.



Objeto de meu pleno amor, causador das minhas dívidas, ausência das minhas eternas dúvidas.

terça-feira, junho 09, 2009


Vai, verão, vai embora!



Finalmente a chuva se instalou em Boa Vista. Os dias ficaram melhores, mais animados. Agora até consigo andar pelos corredores externos de meu local de trampo e me dá vontade de sair fazendo cooper no final da tarde apenas para aproveitar o vento frio que bate no rosto. As manhãs, inclusive, ficaram mais preguiçosas, mais agradáveis, mais “deita aqui na rede e apenas olha as árvores molhadas”.

Chove, chuva.


Mas como sempre tem quem reclame, já foram aos jornais dizer que as chuvas provocam alagamento, que algumas obras vão parar ou reduzir o ritmo, que a roupa não seca mais com a mesma velocidade e que os casos de viroses estão para aumentar, sem contar os da dengue.


Tanta coisa para se aproveitar no inverno amazônico e as pessoas ficam ligadas nesses detalhes. Eu digo apenas: seja bem-vinda, chuva. Seja bem-vinda e lava todos os males, todas as tristezas, molhando a vida e espantando o calor.
Os feriados de Boa Vista em 2009


Crônicas da Fronteira também é um blog de prestação de serviços. Como estamos na boca de um feriado (e Deus e o Google salvem os feriados), começam as perguntas sobre quais são as folgas que ainda restam no ano. Vai aí uma lista de todas os que serão desfrutadas pelos boa-vistenses até dezembro, conforme um decreto municipal.


11 de junho – Corpus Christi

29 de junho - Dia de São Pedro

9 de julho - Aniversário do Município (feriado municipal);

7 de setembro - Independência do Brasil (feriado nacional);

5 de outubro - Aniversário do Estado (feriado estadual);

12 de outubro - nossa Senhora Aparecida (feriado nacional);

26 de outubro - Dia do Servidor Público - art. 236 da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990, (ponto facultativo) comemoração antecipada do dia 28 de outubro;

2 de novembro - Finados (feriado nacional);

15 de novembro - Proclamação da República (feriado nacional);

8 de dezembro - Nossa Senhora da Conceição (feriado municipal);

24 de dezembro - véspera do Natal (ponto facultativo após as 12 horas);

25 de dezembro - Natal (feriado nacional); e

31 de dezembro - véspera de Ano Novo.

segunda-feira, junho 08, 2009

Painéis Funarte de Bandas de Música 2009: inscreva-se


A Funarte realiza de 8 a 12 de julho a etapa roraimense do painel de bandas de música 2009.

As inscrições para quem mora por estas bandas já estão abertas e devem ser feitas no Instituto Boa Vista de Música, Terminal do Caimbé, Av. dos Imigrantes, 1612, - Sala 12.

Outra opção é ligar (95) 8119-9149 ou mandar e-mails para
maestromoisesportugues@gmail.com ou institutoboavistademusica.ibvm@yahoo.com.br .

Os Painéis Funarte de Bandas de Música oferecem cursos de percussão, de percepção e leitura musical, de instrumentação e arranjos musicais, de reparo e manutenção de instrumentos de sopro, de regência e de técnica para instrumentos de sopro (bombardino e tuba, clarineta, saxofone, trombone e trompete).
Para participar das aulas, os músicos devem preencher a
ficha de inscrição e enviá-la, pelos correios, ou entregar em mão, para o Instituto Boa Vista de Música.

Os Painéis Funarte de Bandas de Música fazem parte do Projeto Bandas de Música, que, criado em 1976, atua em diversas frentes, como levantamento e edição de partituras, distribuição gratuita de instrumentos de sopro e realização de cursos de reciclagem.

De 2000 a 2008, mais de três mil pessoas participaram dos Painéis, que percorreram 16 cidades nos estados de Alagoas, Amapá, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Paraná, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins, conforme diz esta notícia.

sexta-feira, junho 05, 2009

Pronta para ser comentada

A entrevista com Luis Ene falando sobre o criogenização da revista Minguante já está disponível para votação e leitura no Overmundo. Chega lá para conferir.
Anarriê, anavantu!



A quarta edição da revista Anarriê, criada pela Prefeitura de Boa Vista para divulgar o arraial Boa Vista Junina, já está disponível na web.

Produzida pela equipe da Secretaria de Comunicação, tem 40 páginas coloridas e apresenta notícias sobre a maior festa popular de Roraima. O leitor encontrará reportagens sobre as quadrilhas juninas, os grupos folclóricos, casamentos reais no arraial e os atrativos turísticos da região.

Este cronista trampou na revista deste ano, assessorando jornalisticamente a coordenação editorial da publicação, que teve tiragem de oito mil exemplares e é distribuída gratuitamente. Relembrando bem, a primeira edição foi toda coordenada por mim e na segunda e terceira prestei assessoria editorial.

Para ler a revista, basta clicar na imagem que você vai direto para o arquivo PDF.

terça-feira, junho 02, 2009

Essa tal de publicidade


O Brasil inteiro acompanhando as notícias sobre o Airbus que caiu no mar, muitas pessoas declarando o seu medo de voar, outras ganhando de presente o medo de voar, e olha a propaganda que encontro no site que registra os acessos ao blog:



Assim...tipo...quer dizer...será que insistir em chamar os outros para voar é uma boa? Vamos chamar para comprar notebooks que dá mais certo.
Mondo cane

(Da Série Remember, um texto publicado originalmente em 3 de junho de 2005. E que venham os cinco anos do Crônicas da Fronteira.)

Ele disse:
Bah, guria, para que tanto aperreio. Não é melhor assumir que a idade nos torna cínicos como as pessoas que detestávamos há alguns anos?
Ela argumentou:
Mas e os sonhos, onde vão ficar?
Ele respondeu:
Vende. Conheço um cara que paga bem por restos de inocência.

segunda-feira, junho 01, 2009

Notícias da fronteira


Choveu na manhã desta segunda na cidade mais quente do norte. Chuviscou no começo da tarde na cidade mais quente do Norte. E isso foi escrito sem provincianismo, apenas com alivio.

Lá em Manaus, os amazonenses comemoram o anúncio da cidade como uma das sedes dos jogos da copa do mundo de futebol em 2014.

Quem não pagou até agora o IPTU 2009 ganhou mais 15 dias para conseguir a grana e quitar a dívida com a Prefeitura de Boa Vista.

Está no Overmundo, para edição colaborativa, uma entrevista feita por e-mail com Luís Ene sobre o congelamento das atividades da revista Minguantes. Chega lá e sugere algo, se for o caso.

Começou a Semana Municipal de Meio Ambiente. Olhaí a programação a partir de amanhã:

Terça-feira (2)

8h – Plantio de 5 mil mudas de plantas nativas
Local: Igarapé Caranã

15h – Curso de Ikebana
Local: Horto Municipal – sala verde

Quarta-feira (3)

8h30 – Sensibilização ambiental com fantoches e vídeos

9h30 – Trilha ecológica: valorizando a flora do Bosque dos Papagaios
Local: Bosque dos Papagaios

15h – Exposição de fotos e animais taxidermizados
Local: Auditório da UFRR

15h30 – Palestra sobre A3P
Local: Auditório da UFRR

16h – Palestra sobre Igarapé Caraná
Local: Auditório da UFRR

16h30 – Palestra sobre Operação Inverno
Local: Auditório da UFRR

17h – Distribuição de mudas de plantas, de folhetos sobre A3P e de material de sensibilização ambiental
Local: Auditório da UFRR

Quinta-feira (4)

8h30 – Palestra sobre contenção de animais silvestres e molde de pegadas Local: 7º BIS

14h30 – Palestra sobre Bioinvasão

15h30 – Palestra sobre Políticas Ambientais
Local: Auditório da UFRR

Sexta-feira (5)

9h – Blitz Educativa – entrega de 300 mudas e de panfletos
Local: avenida Capitão Ene Garcez

Sábado (6)

14h – Apresentação de rapel
Local: Ponte dos Macuxi

17 – Encerramento
Local: Orla Taumanan