terça-feira, abril 22, 2008

Matemática


Preciso de um amor. Ando solitário demais, disse, aparentando aflição.


Mas você vive trocando de amor. Foram quatro nos últimos meses, retrucou o amigo. E lembra que sempre foi você quem decidiu terminar para ficar sozinho.


Pois é, gosto dos números e amores ímpares, falou, enquanto olhava sério para o copo à sua frente.

terça-feira, abril 15, 2008

Coragem


- Alô, a Bruna está?


Agora vou falar para ela como a acho bonita e gostosa. Quer dizer, gostosa não vou falar. Pode ficar chateada se falar tão claramente a verdade, mas que ela é um pedação de morena, ah, isso ela é. Vou convidá-la para ir tomar um sorvete no final do expediente e vamos ver o que rola. Ah, se ela deixar vamos de beijo na boca hoje. Aliás, que droga de beijo na boca. Eu quero é beijar o cangote dela, morder suas costas, passar a mão no bumbum, sentir todos os seus cheiros, tomar banho pelado, fazer o mundo girar até de manhã. Ai, Deus, se ela topar, hoje vou te dar um alô no paraíso e volto logo em seguida pra terra. Hum, se ela soubesse como esse sorriso e esses olhos me encantam...aposto que ela sente a minha vontade de beijá-la cada vez que a vejo passar por...


- Oi, é a Bruna!


- Oi, Bruna. É o Davi. Tô te ligando para lembrar que hoje é o último dia de entregar as freqüências do pessoal de teu setor. Falou? Abraços. Tchau...


terça-feira, abril 08, 2008

O trio

Chegaram os dois juntos, após acordar que aquela situação não era mais suportável, e disseram à menina:


- Seguinte, esse papo de lábios compartidos, tipo a música do Maná, não é legal. Agora você ter de escolher um dos dois para ficar!


- Verdade, não dá para ficar nessa situação. Ou ele ou eu! Nada mais de ficar dividindo teu tempo entre os dois.


A moça, linda, olhos amendoados negros, cabelo no meio das costas, boca daquelas que geram imediatamente a vontade de beijar, fez uma careta de desgosto, bebeu um pouco mais de seu guaraná com açaí e disse, docemente:


- Que tal ficarmos juntos, os três, ao mesmo tempo?


Silêncio...


Um cochicho, cabeças balançando e a réplica dos rapazes:


- Só se for com chantily e morango...

sexta-feira, abril 04, 2008

Desejo

Um dia a casa sobe e a alma cai
Daí, quem sabe,
Você se toca e se vai.

Uma noite a lua desce
O verão acaba
E o rio Branco cresce.

Um dia, quem sabe o dia,
As coisas mudam
E paro com essa agonia.

Uma tarde, com certeza,
Te encontro caminhando pela rua
Ou meio louca, seminua
Deitada sobre minha mesa.



(Texto publicado originalmente na revista on-line Minguante. Tem outros meus também. Se você quer participar com suas histórias, corra. O prazo encerra na outra semana)



Se nunca foi visitar, que não seja por falta do endereço: Histórias de um Índio Velho e seu filho.


terça-feira, abril 01, 2008

Atores mostram diversidade teatral de Roraima


A I Mostra de Esquetes da Federação de Teatro de Roraima foi um espetáculo da diversidade artística do Estado. Grupos e atores de Boa Vista, Mucajaí e São João da Baliza encantaram, assustaram, fizeram rir e prenderam a atenção de cerca de duzentas pessoas que estiveram no Galpão Multicultural do Sesc Centro no último final de semana.

Os grupos encenaram textos de criação própria e de autores com William Shakespeare e Thiago de Mello. De São João da Baliza veio o Grupo Reverbel, que apresentou três esquetes de autoria própria. O monólogo do Juquinha, um dos textos do Reverbel, abordou a dupla personalidade de um garotinho no estilo que os cinéfilos chamam de terrir (terror e risos). A encenação, que teve direito a “abertura” de buraco na orelha com uma furadeira e sangue falso no palco, espantou adultos e crianças.

Na outra ponta da interação infantil, a turma do grupo Criart Teatral teve que improvisar para encaixar no texto da esquete de domingo as intervenções da gurizada. Em um debate entre dois palhaços, um deles perguntou o que era mais forte que a água. Da platéia, cheia de certeza, uma menininha respondeu, cheia de certeza: o gelo, que congela a água. Risos na platéia e texto pra frente, que há atores à espera na coxia.

A mostra teve de tudo. Teatro mudo, com o Lo Combia Teatro de Andanzas; monólogos de Shakespeare e Giuseppe Ghiaroni encenados pelo Téo Artes, de Mucajaí; dramas existenciais com o ator Taylor; comédia escrachada no texto As Beatas, do grupo Malandro é o Gato; e alegorias sociais na discussão criada entre uma cozinheira e uma tartaruga pelo A Bruxa Tá Solta.

Também houve interpretação de poesias de Eliakin Rufino e Thiago de Mello, na atuação musical das crianças e jovens do Criart Teatral; bate-papo surreal no parapeito entre uma suicida e a sua vizinha, na interpretação das atrizes da Cia. do Lavrado; e até uma hipotética volta de Jesus Cristo para um sermão em Boa Vista, representada pela turma da Cia. Arteatro.

Para a realização da Mostra, a Federação de Teatro de Roraima, formada atualmente por seis grupos de Boa Vista, contou com o apoio do jornal Roraima Hoje, do Governo de Roraima, Sesc, Sesi e Amazônia Regional. Este foi o primeiro grande evento da Fetearr, que também realiza bimestralmente o Banquete Teatral, atividade que leva encenações teatrais gratuitas às praças de Boa Vista.

Quer ver as fotos? Procura no Orkut, nas páginas da Federação de Teatro e do presidente, Marcelo Perez.