terça-feira, janeiro 23, 2007

Conseqüências cirúrgicas

Pode acontecer de um dia surgir a necessidade de fazer uma cirurgia bucal. Algo simples, de fácil recuperação. Mas sabe como é, cirurgias sempre trazem conseqüências, têm aquele prazo de recuperação até o corpo esquecer-se do procedimento invasivo.

Primeiro vem o corte do bisturi, depois os pontos, fechando com o inchaço e o hematoma. Um espetáculo. É algo mais ou menos assim: você entra bonitinho no consultório e quando chega em casa parece uma versão pop do chupa-cabra.

No outro dia, a boca inchada não deixa você falar ou comer direito. Eis então que o verdadeiro problema surge. Já pensou se justo para aquela manhã estava prevista a apresentação do projeto de inovação científica que certamente seria aprovado pelos seus chefes e os investidores, resultando em aumento considerável de seu salário e talvez uma participação como sócio da empresa?

Pior: depois de chegar em casa, querendo repousar um pouco, a sua namorada liga e quer discutir a relação. Você tenta murmurar que aquela não é uma boa hora, que a cirurgia te deixou meio baqueado, mas ela está intransigente. Quer discutir agora os pontos do namoro, diz que você não lhe dá mais atenção, que prefere ficar em silêncio a dialogar, ameaça terminar tudo se você não detalhar como vai ser o novo você no namoro. E você, desesperado e exasperado, articula frases guturais, tenta garantir a namorada e os pontos estourando....

De repente sua mãe, velhinha e meio cega, chega em casa, trazendo um prato de lasanha. O microondas não está funcionando e o gás acabou, por isso o almoço vai rola frio. A massa dura talvez machuque a boca, mas como articular essas frases no ouvido da mãe, se ela também está um pouco surda? O jeito é gesticular, afastar o prato, negar-se a comer.
Mas para que isso, pergunta mamãe, acusando-te de ser um filho desnaturado, mal-agradecido, desses que não dão valor a uma boa lasanha feita com carinho. Mas se fosse daquela tua namorada, aposto que comias, arremata a magoada velhinha.

Forçado pelas circunstâncias, você engole uns pedacinhos da comida, deixa a mamãe feliz e vai escovar os dentes. Hum...escovar os dentes sugere abrir a boca, passar a escova pelos dentes, língua, palato... mas e se bater no machucado, como vai ser? Será que é melhor ficar com o bafão, evitar o risco da pancadinha ou fazer a limpeza, como os bons costumes da casa orientam? Optas pelas limpeza, a porcaria da escova bate nos pontos, a boca incha e você, que já não estava bonito, parece ter saído de uma briga de rua com 10 pessoas. Apanhou muito, é claro, mas precisava ver como os caras ficaram.

Ficaram rindo de ti, né, do mesmo jeito que teus amigos do trabalho quando você ligou e disse que não poderia ir, pois precisava repousar. Um desses mais engraçadinhos ainda perguntou se era operação de fimose ou tinha alguma coisa a ver com exames de toque. E o pior é que nem à merda você pôde mandar, já que a palavra exige uma abertura maior da boca e não é bom correr riscos com os pontos. Mas deixa o inchaço diminuir para todo mundo saber com quantos bisturis se faz uma operação.

quinta-feira, janeiro 18, 2007

Conversando


Daí a menina liga para o trabalho do namorado e diz:

- Ai, amor, estou tão cansada...
- Meu amor, se é por falta de dica, eu te ajudo: vai dormir, pô!

sexta-feira, janeiro 12, 2007

Da série "Usei teu texto sim, e daí?", um pouco de Avery Veríssimo, que deixou Belizonte e está nesta semana em Manaus (AM), a caminho de Roraima.

Totem 2

Numa cantina italiana, oito amigos discutem a vida pós-estouro da bolha da blogosfera. A discussão já dura uma hora e estamos num momento impreciso da cronologia, pois que no virtual esta frase tem a mesma (val)idade que esta e enquanto isso não se sabe mais com quem está a palavra. A mistura de discursos exige uma tomada de providência. Resolvo assumir a parada, embora sem nenhuma intenção de encerrar o assunto.

- Não, não, interrompi. Acho que vivemos algo parecido com a transição da literatura para o cinema e daí para a televisão. Da mesma forma que as pessoas passaram a ler menos com o audiovisual, o hipertexto passou a ser desprezado se se mantém apenas como texto. Os internautas deste século querem ver, ouvir. Viajar em sensações programadas, ser conduzidos pela grade de opções da rede, como telespectadores dos programas de domingo à tarde.

- É, mas isso não é de todo verdade, diz Leãdro Wojak. O cinema, por exemplo, já foi tido como destruidor da literatura, mas não conseguiu fazer isso, e nem era essa sua intenção. Assim como a televisão não destruiu o cinema. As mídias podem conviver umas com as outras, tranqüilamente.

- Sim, mas isso não explica a queda brutal de audiência do meu blog, ri Edgar Borges.

- É que você é um ciberdissidente, gargalha Vandré Fonseca, reconhecendo logo depois a própria condição de publicador bissexto.

- O problema é que a gente não ocupa bem esse território anárquico do ciberespaço. Nós temos que avançar, rapaziada, entrar de sola nas outras formas de sociabilidade, com áudio, vídeo e o escambau, propõe um empolgado Israel Barros.

- Rapaz, não tenho certeza disso. Falta afetividade. Em vários lugares a territorialidade é importante. E não falo só do Acre. Em Guarulhos, não há campanha na TV. A eleição se decide com santinho e cartazete na rua. Ao mesmo tempo, a política é exercida de forma cada vez menos territorial e mais virtual. Portanto acho que é a possibilidade de falar, isso mesmo, simplesmente falar, que vai garantir nossa sobrevivência, atesta um messiânico Maurício Bittencourt.

- Mas isso só aumenta a dispersão, avalia Nei Costa. A internet é um punhado de lixo, muitas vezes reciclado, a maior parte inútil. Garimpar algo bom é tão difícil quanto garimpar mesmo. Por isso é que temos de instigar o povo a assumir os media.

- Falas como um comunicólogo, meu caro. O que todos nesta mesa, de certa forma, são, observo.

- E o corporativismo, onde fica? Não é assim não, qualquer um metendo o bedelho na nossa mais-valia?, grita Rogério Christofoletti, posando de sindicalista radical.

- Ó pá, mas que diabos vocês estão a dizer? Blogue é edição. Blog é edição. Blogging is editing. Mesmo, Avery, que um bandalho como tu, armado em chico esperto na terra da pavórnia, venha a dizer o contrário. E peçamos algo para comer, decreta Luís Ene.

- Só se for agora, atalha Leãdro, ávido por umas saltenhas chilenas das que têm na Vila Madalena. Saltenhas!

- Chico Esperto, como é que é isso?

- É comida italiana, italiana, grita o Vicenzo.

- Então mande mais algumas biras, grita Edgar.

- Você não era assim, diz Nei.

- Ô vida dura.

quarta-feira, janeiro 10, 2007

Sobre o horizonte

Não há obstáculos no horizonte de minha cidade. O pôr-do-sol é alaranjado, vivo, quente. Um espetáculo. Na pressa, muitos ignoram a sua beleza. Quem dirige fica mais preocupado com o carro à sua frente. Quem vai de carona, olha para os lados. Ciclistas estão mais ocupados evitando atropelamentos e outros obstáculos nas ruas. Usuários de ônibus querem chegar rápido aos bairros da zona oeste e tomar um banho para voltar a sair ou então ficar na sala, vendo novelas que tratam de outra realidade.

Não há muitos prédios com mais de quatro andares em minha cidade. A lei não permitia, a cultura popular alegava solo arenoso e impróprio. A lei agora permite. Conjuntos habitacionais e prédios residenciais são o novo horizonte do mercado imobiliário. Até o poder público dará a sua contribuição. O horizonte do cerrado talvez suma.
Não se dá muita importância ao horizonte de minha cidade. Quem chega, estranha a falta de muitos prédios, estranha que haja avenidas largas e arborizadas. Quem já vive aqui há muito tempo se acostumou e não levanta mais a cabeça, prefere óculos e boné para olhar o chão.
No verão, o horizonte sempre tem uma nuvem que sai da terra. Costumes antigos de brancos e índios, falta de educação moderna. Queimadas em nome da lavoura ou da limpeza. O cerrado arde, os animais fogem ou morrem. Os idosos e as crianças reclamam da fumaça. A natureza morre, o horizonte fica manchado.

À noite, quando se chega do norte, Boa Vista é uma imensa linha de luz que surge depois de um pequeno morro. Da BR 174, a pequena capital de Roraima parece abrir-se àquele que se aproxima. Na linha do fim do mundo, abaixo da linha do Equador, mais perto da Guiana e da Venezuela que de qualquer grande cidade brasileira, no meio do lavrado, há um horizonte de dúvidas e esperanças sobre o presente e o futuro.

quarta-feira, janeiro 03, 2007

Estudando lembranças

Estou fazendo um trabalho sobre memória, coletando recordações de idosos sobre o cotidiano de Boa Vista. Nunca fiz nada parecido, nunca havia lido sobre a parte teórica de entrevistar pessoas e conseguir delas relatos sobre como era a sua vida quando jovens.
Tenho que ler Agnes Heller, Éclea Bosi e Michael de Certeau para começar. Já passei pela primeira, estou com Bosi. Gosto do que leio, é instigador, quase poético.
De repente, não sei como, viajo para 1992, volto para 1990, retorno a 1992/93, relembrando cenas aparentemente desconexas, mas que se relacionam e trazem à minha mente meninas das quais gostei quando era um garotinho de 13, 14 anos.
Lembro de um beijo dado com os rostos entre os vidros da janela da sala de aula, lembro que a prima da garota beijada deixou de falar comigo, lembro que era ela quem eu de fato queria beijar; ela o sabia, mas a outra se adiantou...
Uma era loira e outra tinha cabelos negros. Todos estávamos na sétima série. Logo depois fui embora da cidade. No primeiro ano que passei no Brasil, a catira, que é como chamamos na Venezuela as mulheres loiras, morreu atropelada. Um ano depois, quando fui visitar minha antiga cidade, fui na casa da morena deixar meus pêsames e ela não foi cortês comigo, pediu que fosse embora se já havia terminado, parece que ainda estava chateada comigo. Qual é o nome dela, meu Deus? Só me lembro que era branca, também faz aniversário no dia 4 de junho, como eu e era prima de um grande colega meu à época. Putz, como é que o cara se chamava mesmo?.. Juan Carlos Gonzales, me relembra uma anotação em um velho caderno.
Lembro de outra menina da sétima série. Lembro que a olhava demoradamente, apesar de lembrar que sempre olhava um monte de garotas demoradamente. Aliás, timidez é uma porcaria. A gente só olha; conversar, que é bom, nada. Quando tentamos, que conversa ridícula costuma sair. Essa menina era morena clara, cabelos claros, irmã de um colega desses que a gente encontra na praça de cidades pequenas para conversar sobre o nada. Qual era o nome deles?
Lembro que nos primeiros anos em que estava morando aqui, me contaram que ela havia sido atropelada. Ela e a menina loira que me beijou pela janela da sala de aula estavam juntas no acidente. Três anos depois de ter vindo morar aqui, nos encontramos na rua da Alcaldia de Guasipati. Ela se lembrou do meu nome. Eu, apenas de seu rosto. Trocamos duas palavras e tchau. Aliás, sempre fui horrível para guardar nomes. Mesmo daquelas meninas que me chamaram a atenção quando era um moleque que se encantava a cada semana por uma pessoa diferente.