quinta-feira, abril 27, 2006

Notícias da fronteira


Roraima no vídeo

Domingo, 30 de abril, a TVE apresenta o documentário "Nenê Macaggi - Roraima Entrelinhas", que aborda a vida de Nenê Macaggi, escritora e garimpeira, a cultura regional e as relações entre os pecuaristas, garimpeiros e indígenas.Quem quiser dar uma olhada nas imagens da fronteira, é só ligar o televisor às 23h, horário de Brasília, 22h em Boa Vista.


Desintrusão

No município de Pacaraima, norte de Roraima, está rolando confusão. Cerca de 300 agentes da Polícia Federal acompanham técnicos do Incra e Funai no processo de avaliação de benfeitorias nas fazendas e vilas que se encontram na área indígena Raposa-Serra do Sol, que tem cerca de 1,8 milhão de hectares e abriga cerca de 15 mil índios das etnias Macuxi, Taurepang, Wapixana e Ingarikó.
O governo federal quer concluir logo o processo de desintrusão da área, o que signfica retirar todos os não índios da reserva.
Esse processo gera desde a semana passada notícias, acusações, fotos e charges de todos os tipos nos veículos de comunicação locais (Podem ser acessados clicando aí ao lado, na lista "Mídia Roraima"). Os maiores reclamantes da retirada são os arrozeiros, capitaneados por Paulo Quartieiro, prefeito de Pacaraima e inimigo número um dos índios que defenderam a área contínua, e políticos que xingam o presidente Lula de "vendilhão", "entrega pátria", "capacho das potencias internacionais" e outras gentilezas que só se dizem em casa mas não se repetem na rua. Ou, no caso, em Brasília.

Para ter mais informações, clica nesta pesquisa do Google.

Leia aqui a opinião do site Rota Brasil Oeste sobre o processo:


"A homologação da reserva Raposa Serra do Sol coroa um processo de luta de mais de 30 anos que envolve as etinas que vivem na região, sociedade civil, organizações religiosas e muita disputa política. Ao longo dos anos, a grilagem de terras, a exploração da mão de obra e, principalmente, o preconceito ameaçam uma população de 15 mil índios - metade da população indígena de Roraima.
Mesmo com as chamadas ressalvas, esta pode ser considerada uma vitória dos direitos indígenas. Agora, por exemplo, terão que sair da região as fazendas de arroz. Os donos destas terras são acusados de grilagem, de degradar o meio ambiente e de aliciar índios para defenderem sua permanência na regiaõ.
No entanto, permanecem os desafios de assegurar na prática a terra aos índios, de diminuir a violência e estimular a integração e resgate cultural dessas comunidades. Para tanto, seguem como obstáculos as forças políticas do estado que fundaram enclaves como o município de Uiramutã, mantidos pela homologação feita pelo governo. A vila, construída ilegalmente depois que a reserva já estava demarcada, foi apenas uma das manobras de políticos locais para tentar evitar a homologação da reserva. "

....


Pois é, pois é, pois é. A homologação é um ato que gera conseqüências complexas, fáceis de serem analisadas de forma tendenciosa e passional. Por isso, os ânimos aqui estão exaltados e as discussões sobre o tema são comuns em todos os lugares, em todas as classes sociais. Em resumo, é a assunto da semana, muito mais importante que o deputado que pediu ressarcimento de R$ 60 mil da Câmara por gastos com combustível.


Bom, agora vou descansar que segunda é dia do trabalhador...

segunda-feira, abril 24, 2006

Coisas de Boa Vista


Em um dia de trânsito pesado, demoro seis minutos para sair de casa, atravessar quatro bairros e chegar ao trabalho. Quando ia de bicicleta para a universidade, o percurso era de cinco bairros em nove, dez minutos.

Terminou oficialmente o semestre 2005.2 da Universidade Federal de Roraima. O mesmo semestre que começou no ano passado. Ninguém agüentava mais ir à aula. E eu, que pensava estar quase concluindo sociologia, descobri que ainda faltam quatro disciplinas, incluindo a monografia. Achava que eram apenas duas.

Na sexta passada amanheceu chovendo. Sábado e domingo o sol imperou.

Domingo, enquanto espero na orla Taumanan que a missa da igreja matriz termine para levar a minha avó para casa, ouço uma revoada de garças na escuridão que cobre o rio Branco. Longe, fogueiras indicam que ainda há banhistas no banco de areia que chamamos de praia Grande.

segunda-feira, abril 17, 2006

Visite Roraima, dê um pulinho na Venezuela e suba o monte Roraima...


Pessoal, não fundei uma agência de turismo. É preguiça e falta de um bom assunto para escrever mesmo. Por isso, estou colocando estas fotos de uma trilha que fiz em 2002 para subir o Monte Roraima, onde as fronteiras da Venezuela, Brasil e República Cooperativista da Guiana se encontram. Mais dados sobre o acidente geografico no tio Google.

Como não estou conseguindo dar espaço e isto demorou mais do previsto, vão as fotolegendas deste jeito:
foto1: aldeia San Francisco de Yuruany, dos primos Pemóns. Tudo índio, tudo parente.
foto 2: Eu e o monte Roraima, faltando um dia e meio de caminhada.
foto 3: Rio Kukenan em primeiro plano. Montes Kukenan (e) e Roraima (d) ao fundo.
foto 4: Emoções aquáticas na travessia do rio...
foto 5: Faltam somente algumas horas e chegamos ao topo...
foto 6: Troço cansativo chegar aos mais ou menos 2.800 metros de altitude, guri...
foto 7: Marechal Rondom esteve nesse mesmo lugar no começo do século passado e fez a medição do marco tríplice das fronteiras. Aposto que não estava chovendo tanto...











terça-feira, abril 11, 2006

Fotos de Boa Vista



Praça do Centro de Boa Vista, onde ficam o palácio Senador Hélio Campos (residência do governador do Estado), a Estátua do Garimpeiro (monumento erguido na década de 1970 para homenagear estes trabalhadores) e a pracinha do Coreto. Ao fundo, o rio Branco.



Visão oposta à foto anterior. Em primeiro plano, o rio Branco. Dá para ver o leque previsto no projeto de urbanização implantado na cidade na primeira metade do século passado. Depois, tudo cresceu de outro jeito. No meio, a praça do Centro Cívico.

Orla Taumanan, um dos principais pontos turísticos da cidade. Inaugurada em julho de 2004 pela ex-prefeita Teresa Jucá. Fica no mesmo local onde atracavam os barcos para deixar mantimentos na fazenda que deu origem à cidade.

Update

Muitas outras fotos aqui.

quinta-feira, abril 06, 2006

Bendita chuva

Choveu à noite. Quando o sol acordou, Boa Vista ainda sentia alegria com as gotas de água vindas do céu. O calor afastou-se um pouco, chateado por não ser mais o dono absoluto do pedaço.
No que é possível nas savanas amazônicas, a noite foi fria. Fria de um jeito nortista, claro. Nada parecida com uma Florianópolis tomada pelo vento sul, mas agradável.
Lá fora, pela manhã, o dia estava ligeiramente nublado. Adoro acordar em dias assim. Pena que não dá para ficar eternamente na cama.

terça-feira, abril 04, 2006

Universo em expansão


O tempo corre, mudanças aparecem, o universo se expande e a nave parece deslizar sobre ondas de poeira estelar.
Lá, bem longe, alguém passeia, outros riem, alguns apontam o dedo e jogam dardos em alvos imóveis.
A música aparece bem baixinho, sem incomodar ou ser incomodada. Ninguém diz que seria assim, mas também ninguém disse como seria. E o abismo caminha e pára. E as águas do rio Branco, onde à margem direita surgiu Boa Vista, parecem abrir-se apenas para ouvir uma risada de criança.
Aparece no jornal uma notícia para quem acredita na fé como modificadora de vidas e saúde. Aparece um fantasma na janela de casa. Pega uma pedrada na testa para deixar de ser enxerido.
Como já foi dito, é abril e o sol do meio-dia queima as almas e as costas de quem o desafia. Aqui dentro, as letras correm, se escondem e gritam bem alto por liberdade e paz. O universo expandido é infinito, imprevisível e agradável...