quinta-feira, setembro 30, 2004

Ele disse:
- O corpo é o verbo da alma.
Ela respondeu:
- Conjuga-me, então.
Pronomes, substantivos, adjetivos e onomatopéias misturaram-se sem regras gramaticais a noite inteira.

segunda-feira, setembro 27, 2004

"Setembro

Setembro chegou e o pouco de felicidade que eu guardava se foi em uma mala e uns sapatos na mão."

O Vandré não explicou se foi largado ou não pela namorada ou se é apenas um comentário aleatório sobre a vida.
O fato é que o post no seu blog me lembra que setembro é um péssimo mês para manter a felicidade, seja qual for a área ou motivo.
É claro que sempre há os do contra, lembrando que grandes amores e conquistas profissionais foram obtidas nesta época do ano. Esperar mais o quê dos otimistas?
Para justificar minha aversão a todo setembro, confirmada ano após ano (é quando geralmente volto das férias - folgas no sul-sudeste do País), vamos a mais uma da etapa da auto-proclamada bem-sucedida série Escritos para mulheres especiais:

Primeiro de setembro

Hoje minhas paixões
Vão reencontrar-se
Com seu pares.
Continuarei só,
Perguntando aos passantes
Se viram a estrela brilhante
Do crepúsculo.
Hoje minha história
Perde mais uma personagem
Uma mais que abandona
O palco da minha vida,
Uma co-protagonista
Do teatro mambembe
Praticado por mim.
Hoje estou um pouco
Mais triste,
Um muito mais eu.


sexta-feira, setembro 24, 2004

Era dona de uma racionalidade infeliz e fatal como um beijo de despedida no início do dia e detestava minha abstração. Rumou para o sul e eu fiquei aqui.

quarta-feira, setembro 22, 2004

Pois é, meu senhor. As coisas não são como parecem. Basta a gente olhar de baixo para cima e tudo muda. É sério. Tem gente estudando isso. Esses doutores da universidade, esse povo que vive com a cara enfiada nos livros. Eu? Não. Eu nunca consegui passar na prova do vestibular. Depois perdi a vontade de estudar. O que fiz? Ah, eu era jovem, tinha umas economias, não gostava da minha cidade e decidi sair pelo mundo.
Passei uns quinze anos viajando por uns três continentes. Sabe aquele filme que passou um dia desses no cinema, aquele do livro, caderno, diário da moto? Então. Não tem aquela parte do deserto que os caras vão caminhando? Eu trabalhei ali pertinho uns cinco meses.
Como, o senhor só assiste jogo de futebol? Ah, mas eu também adoro. Todo domingo vou para um bar ou lanchonete qualquer para ver o campeonato brasileiro. Já foi melhor, sabe? Na Itália eu...sim eu já estive na Itália. Faz muito tempo. Quase que peço a cidadania de lá. Mas briguei com o dono da pizzaria onde trabalhava, quebrei a cara dele e tive de sair fugido do país. Os policiais devem estar me procurando até hoje.
Mas como ia lhe contando...Sim, claro, pode servir mais uma cerveja. Sim, sei que o senhor não tem como ficar só me ouvindo sem vender nada. Me diga, o movimento por aqui é bom? Ah, depende do pagamento do governo para agitar as coisas. Nossa, parece coisa de cidade pequena do interior. Desculpe, não queria ofender o senhor nem a sua cidade. Que legal. O senhor nasceu e se criou aqui, assim como os seus filhos? Poxa, eu não tenho filhos. E da minha família faz uns 18 anos que perdi o contato. De vez em quando ligo para minha mãe para avisar que estou vivo. É verdade. Mãe é uma das melhores coisas do mundo. Bem, não me casei por não encontrar nenhuma mulher que tivesse coragem de me acompanhar nas minhas viagens. Sim, amiguei várias vezes. Teve a Luisa, que era dona de um bar como o senhor. A Matilde era artista, fazia caixinhas de papelão colorido e vendia nas praças. A Joana era professora e escritora. A conheci num coquetel de lançamento de um livro. Tava lá só para filar comida quando começamos a falar sobre música da América Central. Mas eu gostei mesmo foi da Fernanda, balconista de uma farmácia. Adorávamos brincar de doutora e doente.
Mas sabe como é. Tudo se acaba na vida, a estrada chama de novo e a gente tem que seguir os instintos. Acho que eu nasci caminhando, sabe? O que faço aqui? Não, só parei por conta do ônibus. Parece que quebrou uma peça e vamos ficar aqui esta noite. Amanha sigo rumo ao litoral. Dizem que a temporada de pesca tá rendendo um bom dinheiro para quem tem as manhas das redes. É, também fui pescador quando estive no África. Já fiz de tudo na vida para ganhar o dinheiro da passagem do próximo trecho.
Nossa, tá tarde, né? Vou descansar agora naquela pousada da esquina. Não preciso pagar nada? Muito obrigado, senhor. Vou lhe contar mais uma coisa. Quando se chega na minha idade, a gente começa a repensar a história da nossa vida. E eu estou querendo escrever um livro sobre tudo o que vivi. O que o senhor acha?



segunda-feira, setembro 20, 2004

Foi a primeira que viu seu espaço visitado por ela. O que fazia lá, não trabalhava em outro setor da empresa onde raramente havia tempo para visitas sociais? A empresa até que tentava, mas o departamento de Recursos Humanos não era comandado por pessoas capazes o suficiente para implementar uma boa política da excelente vizinhança.
Apertos de mãos, como vai você, como vai o trabalho, nossa que projeto legal, como estamos cansados, vai piorar e outras frases de efeito foram ditas e repetidas. E o diretor do RH ali, supervisionando o intercâmbio entre os setores.
Venha conhecer minha mesa, olha que lindo o meu mouse, pois é não tenho vista para o horizonte, que bacana o teu ar-condicionado, faz um mal para a gripe que você nem imagina, dizia a visita, respondia o visitado.
Pois é vou embora, mas agora que ia te mostrar meu arquivo de piadas, volte sempre que puder, apareça também, falaram os dois, numa tentativa desesperada de retornar aos seus postos de trabalho e de sair do campo de visão da chefia.
E o diretor do RH, ali, explodindo de felicidade com o sucesso de sua política de integração entre os funcionários.

sexta-feira, setembro 17, 2004

Agora que o frio roraimense começa a deslocar-se para outros lugares, nada como uma opinião sobre ele. De Zanny Adairalba, escondida poeta do cotidiano:

Dias frios... cama quentinha, lençóis limpinhos, meia nos pés... (Um computador em algum canto da casa esperando ser usado. Alguém enrolado num cobertor e com uma xícara de chocolate quente à mão, pronto a expor os pensamentos a serem tatuados no universo...) Lápis, papel... letras... frases... histórias...
É... dias frios são deliciosos!!




quarta-feira, setembro 15, 2004

As questões do mundo

Todos os seres humanos cobram, querem ou pedem algo de quem os rodeia. Isso é da sua natureza. Agiotas sempre querem mais juros dos credores. Mães exigem dos filhos boas notas no colégio. Filhos querem ser os preferidos dos pais. O governo não se cansa de cobrar e criar impostos. Países pobres imploram o tempo inteiro por ajuda. Líderes, mesmo que não diretamente, querem ser seguidos. Religiosos, fé. Novos amantes, que se abandonem os antigos. Homens e mulheres, fidelidade de seus parceiros. Já alguns filhos de pais separados conformam-se com o pagamento das consultas do analista. Professores, mesmo que nunca demonstrem, cobram atenção. Sobrinhos pedem presentes. Velhos amantes desejam a permanência do outro no leito. Prostitutas se conformam com um rápido gozo do freguês. Garçons, indelicados como só eles, pedem apenas uma gorjeta e os 10% da conta.
Sogros são mais moderados. Exigem apenas o impossível dos genros e noras. Artistas reclamam se não há palmas no final do espetáculo. Ambientalistas cobram respeito ao meio ambiente. Estudantes são despretensiosos e conformam-se em ser aprovados. Políticos exigem ser votados e reeleitos.
Melhores amigos querem compreensão e aceitação. Os traidores, que nunca sejam descobertos ou julgados. Vendedores cobram de São Pedro que sempre faça sol e nunca chova. Chefes exigem apenas lealdade e sacrifício. Grevistas, aumento salarial. Certas empresas, a concordância com a semi-escravização. Governadores pedem, vez ou outra, trégua à oposição. Caloteiros, não ser enganados. Cineastas pedem aos céus salas de cinema cheias e críticas favoráveis. Oradores, o dom de nunca engasgar.
Deus, até ele, cobra dos seus filhos exclusividade na preferência. Solitários sentem-se felizes quando o mundo lhes dá paz. Já os ninfomaníacos são menos exigentes. Muito sexo, com todo mundo, lhes basta. Esposas e namoradas insatisfeitas cobram orgasmos múltiplos. Mulheres sempre pedem ser tratadas com igualdade e receber salários iguais aos dos homens. Estes, por sua vez, querem dividir a conta do jantar e do cinema. Motoristas querem mais agilidade do governo para resolver o problema dos engarrafamentos. O governo só quer ser esquecido. Animadores de auditório querem ser assistidos. Pregadores, ouvidos. Escritores, inspiração.

segunda-feira, setembro 13, 2004

Meio-dia e meia

No restaurante, Aurélio come apressadamente. Tem de voltar à empresa para acelerar a entrega de um relatório de atividades e começar a escrever um projeto. Entre uma garfada e outra, pensa nas paisagens que viu numa revista de viagens. Como ele gostaria fazer os passeios que os jornalistas descrevem. Mas Aurélio não tem dinheiro suficiente para viajar. Além disso, a pensão das duas filhas leva boa parte de seu salário. Sua única opção de lazer fora da rota casa-trabalho é a banca de revistas do tio, que o deixa folhear as novas edições.
A um quilômetro, Fátima prepara-se para sair dos braços do namorado. Quase esquecia do almoço de família marcado para hoje. Se não bastasse estar um pouco atrasada, nunca aprendeu a maquiar-se em motéis. Para ela, as luzes nunca estão bem posicionadas. Certa vez perguntou a um empreiteiro se iluminação era item menor nestes projetos. Depois do último beijo, sai do quarto e vai para o restaurante. Pelo celular, avisa ao marido que está chegando e culpa o trânsito pelo atraso.
No banco de uma praça, Nina e Mateus terminam as anotações do diário de viagem. Já são 15 estados visitados desde que caíram na estrada. Ainda têm duas semanas para viajar. Calculam que dará tempo para chegar na estréia do grupo teatral dos amigos. A viagem os ajudou a ficar mais próximos, acreditam. As anotações serão fundamentais na redação de vários artigos para o jornal de sua cidade natal e, quem sabe, de um livro. Agora, porém, é hora de comer, não de sonhar.
Na calçada do restaurante, Aurélio espera o carro que vai levá-lo para o trabalho quando vê Fátima chegar. "Essa aí deve ter tudo o que quer, sem precisar preocupar-se com horários. Que inveja", pensa.
Fátima passa sem notá-lo, questionando-se se vale a pena ficar sem tempo para si, ocupada com o marido, a casa, o namorado e a gerência da loja de roupas. "Acho que chegou a hora de pensar em mim. Vou fazer como esses garotos, que não têm tanta responsabilidade e são felizes".
Nina e Mateus, parados em frente ao restaurante, contam o dinheiro para saber se poderão almoçar hoje. Dá para encarar o preço. Vamos almoçar, decidem.
Enquanto isso, novas histórias procuram o seu espaço nas mesas do restaurante.

sexta-feira, setembro 10, 2004

quarta-feira, setembro 08, 2004

A debutante

A Universidade Federal de Roraima comemora 15 anos nesta semana. Lá se vão oito anos desde que entrei pela primeira vez numa sala do Campus do Paricarana para estudar Jornalismo.
Mas o primeiro contato com a UFRR foi mesmo em 1993, quando fui professor, por algumas semanas, de um projeto de alfabetização de adultos desenvolvido pela instituição. Nunca ficou bem claro se tinha direito a receber algum trocado. Na dúvida, deixei de lado.
Depois de formado, fui professor durante um semestre, lecionando três disciplinas. Na sala, antigos colegas e uma pirralhada hoje quase toda graduada.
Para manter a mente na ativa enquanto não penso num projeto legal de pós, voltei à UFRR como aluno de Sociologia. (estou no aguardo de uma lei que me permita ser presidente da república. Afinal, se o FHC pôde, eu também quero. Pelo menos de sindicato).
Na universidade, ganhei amigos, conquistei desafetos, tive amores de todos os tipos, fiz política estudantil, ajudei a fazer protestos e organizar eventos culturais. Também percebi um misto de vergonha e senso de justiça nos olhos dos alunos e professores quando o Governo Federal enviou interventores para assumir o lugar de reitores suspeitos de cometer irregularidades ou quando vestibulares foram cancelados por confirmação de fraude.
Participei de duas eleições para a escolha de reitor; de algumas dezenas de assembléias discentes e docentes; de greves e paralisações. Tive aula com professores bons e medíocres, fui colega de gente aplicada e relaxada, entendi muito sobre a arte de ouvir para aprender.
Graças à universidade, tenho uma profissão (Deus sabe o que seria ou onde estaria hoje sem ela) e me sustento honestamente.
Graças à universidade, compreendo parte do mundo que me rodeia e percebo a dialética como um processo interno que deságua na modificação da realidade.
Em resumo, fiz amor e fiz a guerra na universidade. E se o tempo voltasse, faria tudo de novo, fazendo a balança pender um pouco mais para o amor, claro, que é mais gostoso.

sexta-feira, setembro 03, 2004

Atendendo a pedidos, mais uma da série "Escritos para mulheres especiais."

Perguntas no mar


A manhã surge no convés do navio e
A mesma pergunta de todos os dias é refeita:
Que estranho som é este que nos persegue e enfeitiça,
Que nos prende e libera a seu gosto, canto de sereia invisível?
As ondas, nas quais deslizam barcos aventureiros,
Balançam indiferentes ao nosso esforço e suor.
Somos corsários, piratas, descobridores.
Somos caçadores na terra prometida, habitamos o além-mar.
Navegamos em águas profundas, tememos apenas o horizonte,
Lá onde o oceano termina, lá na casa dos deuses.

O sol ergue-se soberano, acorda os ventos, clareia o céu,
As velas se agitam e nenhum pássaro pousa nos mastros.
Teremos um dia sem tormentas, sem surpresas,
Bem longe de um porto seguro, sem gaivotas para espantar.

O dia termina para novamente a lua reinar suprema
E, de novo, ninguém descobre que canto é este,
Que domina marinheiros sem pátria ou razão
E os impulsiona a conquistar reinos abissais
Respirando com dificuldade e fazendo-os perguntar-se:
Que águas são estas que escorrem pelas nossas mãos?
Que sete mares são estes, agitados e pacíficos,
Neste sul e norte afastados por um ponto cardeal qualquer?


quarta-feira, setembro 01, 2004

Conversas de rua


Rita - E aí, Betânia, tudo bem?
Betânia - Tudo bem o quê, sua traíra?
Rita - Ih, que foi? Que trairagem tu acha que fiz contigo?
Betânia - Tu trairou legal comigo que tô sabendo.
Rita - Fala logo aí.
Betânia - Tô sabendo que tu deu uns pegas no Marcelo.
Rita - Aí, dei mesmo. Qualé então, tu não tem namorado?
Betânia - Tenho, mas tu sabe que o Marcelo é meu marmita. Sacanagem da tua parte.
Rita - Putz, tinha esquecido disso. Quer dizer que tu ainda dá uns pegas nele também?
Betânia - De vez em quando, só pra relaxar.
Rita - Ô, amiga, desculpa. Juro que não faço mais isso.
Betânia - Jura mesmo? Tem que respeitar a carne que os outros comem, pô!
Rita - Juro que sim, amiga.
Betânia - Então tá perdoada. Ei, tu já viu aquele gatinho parado ali perto do poste?
Rita - Mô lindão, né? E aí, vamu dá um chega nele?
Betânia - Só ser for agora!